quinta-feira, 16 de abril de 2009

A despesa mensal média

Taí um item de suma importância que muitas vezes é sumariamente ignorado. De nada adiante fazer um plano pretendendo gastar R$1.000,00 por mês se quando você chegar lá quiser um padrão de vida de R$10.000,00.

Aqui cada centavo faz uma diferença assustadora. Pelos meus cálculos, cada R$1,00 a menos mensal que se pretende gastar são R$300,00 a menos que você precisa ter. Logo, se você conseguir reduzir suas despesas de R$7.000,00 para R5.000,00 ao mês, isso significa R$600.000,00 a menos de patrimônio necessário. Nada mal, não é?

No meu caso, é difícil prever quanto pretendo gastar daqui a 17 anos. Primeiro por razões óbvias: ninguém sabe ao certo como viverá daqui a um prazo tão longo. Ainda assim, previ que cerca de R$5.000,00 reais ATUAIS (ou R$10.000,00 com reais de 2025) será o suficiente para viver confortavelmente.

Já vivi com uma ex-namorada por 1 ano, tomando conta de todas as despesas, receitas, etc... nossa despesa conjunta era de R$3.000,00-3.200,00, sendo que juntávamos ao menos uns R$200,00 no mês (insistência minha) e ela ainda era compulsiva por roupas (insistência dela), além de pagarmos aluguel de R$500,00 todo santo mês. No entanto, não tínhamos luxo algum e o dinheiro era contado. Então, se com R$3.000,00 dois vivem apertados num apartamento de aluguel sendo que um deles é gastador compulsivo, R$5.000,00 deve ser suficiente para uma pessoa viver confortavelmente. Perguntando para amigos mais próximos também chegamos mais ou menos nesse valor.

Uma variável muito importante: filhos. No meu caso, não pretendo nem quero ter filhos. Prefiro gastar meu tempo e dinheiro com amigos, família e diversões pessoais, ao invés de seguir esse caminho de muito stress, gastos, amor, alegria e preocupação. Esse com certeza é um assunto que irá render muitos posts hehehe...

Outra variável: Mulher. Atualmente estou solterio, após um longíssimo relacionamento. Sei bem que mulher = gasto. Pretendo ser radical... se me casar um dia, será com separação total de bens, dividindo TUDO. Não vou me matar de trabalhar e juntar um monte de dinheiro para alguém entrar na minha vida e ajudar a sugar. Posso estar parecendo egoísta, mas prefiro a palavra REALISTA: a mulher não lutou sempre pela igualdade de direitos, feminismo, etc? Então que junte seu dinheiro e se aposente mais cedo ou trabalhe até aos 60 anos... a escolha é dela e só dela. Eu quero uma mulher que me ajude, que seja alguém que vá me adicionar em todos os sentidos, emocional, afetivo, companhia e também financeiro... não nasci para sustentar ninguém nem pra ser o vulgo "capitão-salva-puta"!

22 comentários:

  1. Hahaha

    Este post foi hilário e bem realista.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo esse post. Você tem objetivos claros para o futuro, isso já te deixa quilômetros a frente do resto das pessoas.

    Com relação ao casamento, concordo 100% com você. Hoje em dia tem muita mulher que defende direitos iguais mas esquece dos deveres.

    Vou casar em breve e, graças a Deus, consegui durante 6 anos de namoro, convencer minha noiva de que ela deveria "correr atrás" do dela também e que o casal deve se ajudar mutuamente em todos os aspectos.

    Abraços e boa sorte nessa jornada!

    ResponderExcluir
  3. "Eu quero uma mulher que me ajude, que seja alguém que vá me adicionar em todos os sentidos, emocional, afetivo, companhia e também financeiro."
    ... ME ajude
    ... ME adicionar
    hummm, it's me me me =) rs (Precisamos todos de um Mini-Me! hahaha)
    Se todo mundo pensar assim, nunca irao encontrar ninguem adequado.
    Mas, respeito seu ponto de vista!
    Abraco e parabens pelo blog! que lugar legal de visitar essa tua casa aqui.
    Abraco
    Alexx

    ResponderExcluir
  4. Ao anônimo acima: No post original ficou claro que ele quer alguém que o apóie e ajude, mas nunca disse que deixaria de fazer o mesmo pela outra pessoa. Logo, não há o egoísmo sugerido por ironia =)

    ResponderExcluir
  5. VR, apesar de não estar linkado (e por isso?!), resolvi começar do início. Gostei!
    Mas...patife, hein? A mulher vai te adicionar, te ajudar, etc e se ela quiser isso ela é chupim?? Alexx acertou no comentário...

    Mas vou lendo.
    Maura

    ResponderExcluir
  6. kkkk vocês mulheres entendem tudo errado. Não é que eu não vá ajudar a mulher e tratá-la meramente como uma parceira comercial; a questão é que não vou subsidiar o padrão de vida dela. Posso fazer um agrado aqui ou ali, mas esse lance de dividir proporcionalmente as despesas é uma falácia que sai cara pro parceiro que ganha mais.

    Reciprocidade é tudo numa relação; se eu quero alguém que me ajude e que me adicione é porque estou disposto a fazer o mesmo, e não estou falando de dinheiro aqui nem no texto principal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Já passei por situação assim e o problema era que a renda alta era minha. Depois teve um momento que só ele tinha renda e eu me sentia mal e nesse tempo tivemos uma filha. No final o casamento acabou, principalmente por causa dessa desproporcionalidade financeira (não foi a única causa, tiveram outras, mas tudo deriva daí, fato). Sempre quis ter um patrimônio, mas não consegui construir nada disso em 12 anos de casamento. Ambos erraram. Agora é recomeçar e vejo que ter a finança equilibrada é o principal. A minha situação é que sou separada e com uma filha adolescente e com o objetivo de atingir a independência financeira, por isso estou aqui vendo post atrás de post, para ter ideias e conhecimento. Em breve lanço o meu blog também contando essa jornada. Obrigada pelos posts.

      Excluir
  7. pra mulher cogitar casamento, tem q no minimo ter perdido a virgindade com o seu parceiro, ou ser virgem.. caso contrario ela ja perdeu todo o seu valor e alem disso soh trara gasto no relacionamento! Se todos pensassem como eu, o mundo seria bem melhor

    ResponderExcluir
  8. Anônimo, pra mim o passado sexual da mulher pouco tem a ver com o valor dela. O importante é o comportamento da ação depois de você comprá-la, não antes ;)

    ResponderExcluir
  9. Well, estamos então investindo nossa atenção num blog multi-setorial, com investidores de perfil arrojado e outros de perfil conservador, com análise comportamental das ações femininas, de viés sexual, ora com viés de alta e viés de baixa...

    Muito bom...tá divertido...
    Maura

    ResponderExcluir
  10. Só uma pergunta que me veio na cabeça enquanto lia.
    E se vc arrumar uma mulher que ganha mais que vc?
    Vc se aposenta antes? ou ela se aposenta primeiro :D

    Abs

    ResponderExcluir
  11. A mulher faz o que quiser da vida dela. Pode aposentar, trabalhar até os 80, ela terá a liberdade dela e o apoio meu! Difícil é achar mulher que queira ficar com alguém que ganhe menos que ela.

    ResponderExcluir
  12. Estava procurando informação sobre tributação do PIBB e achei o seu blog. Gostei muito, o blog é de altíssima qualidade, parabéns.

    Comecei a ler do começo e cheguei nesse post.

    Acho que é fundamental para o sucesso de um casamento a existência de um esquema financeiro bem definido que os dois considerem justo e que não cause desconforto para nenhum dos dois.

    Pra vc o que é justo e que não vai te causar desconforto é a separação total de bens e divisão meio a meio das despesas em comum.

    Eu tenho uma visão diferente do casamento e pra mim um esquema justo e que me faz sentir confortável é um esquema bem diferente desse. Acho que a divisão proporcional das despesas é injusta pra quem ganha menos, não pra quem ganha mais. O esquema que fiz no meu casamento foi o seguinte: tudo que cada um recebe é dos dois, vai para uma conta conjunta (real ou virtual). Dessa conta são feitos os pagamentos das despesas em comum. Além dessa conta, cada um tem uma conta individual. O dinheiro é transferido da conta conjunta para as contas individuais sempre em quantidades iguais. O dinheiro da conta individual cada um gasta ou economiza como quiser, sem precisar dar nenhuma satisfação pro outro.

    Claro que para que isso funcione nenhum dos dois pode se incomodar se o outro ganha menos. Pra mim isso funciona porque não dou a mínima importância pra quanto minha esposa ganha. O que me importa é que entre nós exista afinidade e admiração. Isso não funcionaria se minha admiração por ela dependesse também do quanto ela ganha.

    Enfim, a questão financeira é uma questão delicada a ser resolvida num casamento. Acho que deve ser muito bem pensada e discutida.

    []s

    ResponderExcluir
  13. Prezado Mr Viver de Renda,
    Parabéns pelo Blog, já li boa parte dele, sou seu visitante constante!
    Acho incrível tua idéia, mas me permita apenas te contrariar em duas idéias do comecinho do seu Blog.
    1- Um casamento com uma mulher que pensa igual você (sim, existe hehe) te faz juntar forças e crescer muito mais, eu sou casado, minha esposa também junta bastante e tem renda compatível à minha, resultado? Despesas divididas por 2 e investimentos multiplicados por 2. Logo, busque a mulher certa para seus objetivos, que será muito mais feliz!
    2 - Filhos são mesmo tudo que você falou, mas eu não quero morrer tão pobre à ponto de só ter dinheiro! heheh A riquesa da vida muitas vezes está em quem temos, do que no que temos! Acho que filho é um presente tão grande de Deus que não há riquesa no mundo que pague! É o maior investimento do mundo em você! Como você quer curtir tua família, como vocÊ mesmo disse, sem constituir uma? Contraditório!
    Me perdoe a honestidade, mas falo isso pois tenho o mesmo desejo teu, faço os mesmos planos e tenho investido também e estudado bastante sobre tudo isso, mas não podemos esquecer que a vida está aqui para ser vivida, e é possivel viver e planejar em um equilíbrio pleno! Aí mora a sabedoria!

    Muito sucesso para você! Um forte abraço e Parabéns

    ResponderExcluir
  14. Valdson, cada casal tem a liberdade para escolher aquilo que mais fique confortável. Se o parceiro(a) não se importar em sustentar o padrão de vida do outro, quem sou eu pra julgar algo certo ou errado.

    Gustavo, eu não sou contra o casamento e acho que, financeiramente falando, o caminho mais eficiente em termos financeiros foi o que você descreveu acima. Multiplicar riqueZas e dividir despesas.

    O que uma pessoa considera riqueza o outro pode considerar lixo. As pessoas são diferentes com relação a tudo, e filhos não poderia ser diferente. Se ter filhos é algo que te faz feliz e dá sentido a sua vida, nada mais correto do que seguir esse caminho. O problema é achar que todos devem agir de forma igual. O mesmo se aplica ao conceito de família. Segundo você, um marido e uma mulher que não podem ter filhos não são uma família, o que pra mim não faz sentido, mas cada um tem a liberdade de usar o conceito que quiser no que se refere a família, riqueza e principalmente felicidade...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Meu caro Viver de Renda,

    Acabei de conhecer seu blog e apreciei a iniciativa e a transparência com que descreve a sua trajetória. A determinação em perseguir um objetivo é a chave do sucesso.
    Costumo muito mais ler, observar e analisar o que se escreve do que participar em comentários.
    No entanto, não pude deixar de me manifestar para fazer alguns comentários sobre as suas premissas.
    Inicialmente, destaco que possuo 38 anos e, portanto, estaria próximo a da meta da sua almejada aposentadoria (42 anos).

    1. Creio que é plenamente possível atingir a sua meta como você vem sistematicamente comprovando ao longo desses dois anos de investimentos.
    2. O que gostaria de destacar é que você é novo (apenas vinte e seis anos) e talvez não perceba com nitidez como se desenvolve a vida do ponto de vista psicológico.
    3. Perceba a diferença de pensamento em apenas dois anos do escrito neste post. É natural e bem provável que em 2008 você acreditasse que do ponto de vista "lógico" a maior probabilidade seria de que você ficaria solteiro com todas as "vantagens" que isso implica. No entanto, apenas dois anos depois você está de casamento marcado com a mulher de sua vida. É natural aconteceu comigo. Será que está errado? Não, não está.
    4. O que vejo com os amigos da mesma idade e mais velhos é que até se pode escolher a companheira errada, mas, ao se separar, mais cedo ou mais tarde se procura outra companheira para compartilhar a vida.
    5. É triste viver sozinho sem ter com quem dividir os bons e os maus momentos para conviver dia após dia. Assim, é natural a busca de um companheiro.
    6. E esta é a surpresa que você pode até não acreditar ou não gostar nesse momento de sua vida: depois de 5 anos, 10 anos ou 15 anos a vida entre um casal não vai bastar será necessária a busca de um filho de alguém para cuidar, para amar e ser amado. Se nós gostamos da mulher que nos ama e admira, imagine o que pode ser um filho, legítimo ou adotado, que precisa de nosso cuidado, que amamos e nos ama incondicionalmente.
    7. Faço questão de consignar esses pensamentos para que, daqui a cinco ou dez anos, verifiquemos se houve, ou não, modificação na sua forma de pensar.

    (continua...)

    ResponderExcluir
  16. (...continuação)

    8. Depois desse blá, blá, blá, destaco algumas sugestões práticas para você, eu e os colegas de blog meditarmos.
    9. Todos nós queremos progredir na vida e não admitimos, ou não gostamos, de ficar estagnados. Não basta o patrimônio financeiro aumentar, o fluxo de despesas também deve aumentar!
    10. Vejo por mim: comecei trabalhando em um concurso público de nível médio que ganhava na época um salário de R$1500,00 nos idos de 1998 (Hoje esse serviço paga quase R$5000,00). Veja só, tinha 27 anos e acabado de ir morar junto de minha atual esposa. Não satisfeito com o emprego (tinha me formado a 1 ano em engenharia), busquei novo concurso e obtive aprovação depois de 2 anos. Pagava mais do que o dobro do anterior. Nesse momento já tinha o primeiro filho, imaginava que estaria satisfeito e que permaneceria até aposentar nesse ótimo emprego. Ledo engano! Novamente, busquei melhorar. Fiz novo concurso e obtive aprovação, mais uma vez fiz "upgrade" de emprego, aumentei o salário e melhorei a qualidade de vida. Acomodei-me um pouco, mas a vontade de melhorar novamente me empurrou para obter uma nova graduação, duas especializações, enfim em "progredir" na vida.
    11. Por que toda essa ladainha? Por uma razão muito simples: não pense que o que você acredita ser suficiente hoje para viver bem o será daqui a 5, 10, 15 ou 20 anos. Você evoluirá e desejará ter uma condição melhor. O que importa para o sentimento de "felicidade" e "realização" é a melhora contínua de sua situação. Manter a mesma renda do ano anterior não será suficiente se o seu limitador for o dinheiro. A estagnação é o mesmo que fracasso. Veja o que você achou quando seu patrimônio permaneceu parado por apenas 3 meses.
    12. Pense sempre que a qualidade de vida é um binômio dinheiro e tempo. Essa duas variáveis definem em última instância o seu rol de escolhas. Quanto mais amplas as suas escolhas, maior e a sua riqueza. Muito dinheiro sem tempo para usufruir não lhe dá escolhas. Mas muito tempo sem dinheiro também não. Adoro observar como ocorre a limitação de tempo com o Warren Buffett ou o Bill Gates. Eles possuem dinheiro para estar em qualquer lugar do mundo fazendo qualquer coisa, porém só podem escolher um local e uma coisa para fazer.
    13. Do ponto de vista prático, portanto, sugiro que as metas deveriam ser estabelecidas de forma que as despesas anuais reais (descontada a inflação) no programa de aposentadoria sejam estabelecidas de forma crescente, por exemplo, com um multiplicador percentual de 10 ou 20%. Dessa forma, mantém-se a sensação de melhora na condição de vida.

    ResponderExcluir
  17. Esse último foi o melhor comentário que já li por aqui, em quase dois anos de leitura assídua dos feeds RSS dos comentários do blog.

    O fato é que a realidade em que vivemos é marcada por constantes mudanças, e recusar a aceitá-las gera *resistência* e frustração.

    Devemos integrá-las como parte de nossa vida e prosseguir, ajustando nossos planos à medida que modificamos nossas circunstâncias de vida, seja por fatores internos, seja por fatores externos.



    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  18. Anonimo,

    Muitíssimo obrigado por compartilhar sua sabedoria conosco. São idéias muitíssimo interessantes e que me fizeram refletir bastante.

    Apesar de discordar dos pontos 5, 6 e 11, pois penso que as pessoas são tão diferentes que é impossível fazer generalizações como "todos querem ter filhos", "ninguém quer ficar sozinho", "todos querem melhorar o padrão de vida independente do nível atual", etc., ficou clara a idéia da mutação das opiniões e vontades de uma pessoa ao longo da vida.

    Faço minhas as palavras do hotmar (Guilherme). Mais uma vez, obrigado!

    Ps: Esclarecendo, não estou com casamento nenhum marcado hehe.

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde amigo!
    Fuçando na net encontrei seu blog hoje e me identifiquei muito com sua história. Também tenho 27 anos, tenho um plano concreto de independência financeira, também não quero ter filhos (sou childfree convicto!).
    Não sei se te interessa mas vou compartilhar meu plano por aqui. Pretendo atingir minha IF com 33 anos. Sou casado, minha esposa é super parceira no quesito dinheiro, nossa vida financeira é conjunta e nossos objetivos também são. Tanto ela quanto eu optamos por não ter filhos, já que entre outros milhões de motivos, não gostamos da idéia de dedicação incondicional que um filho impõe. Acredito que este fato facilitador de nosso plano de IF. Temos um apartamento pequeno pago, não pretendemos troca-lo por um maior, temos um carro popular que nos é suficiente (leia-se “despesas fixas baixas”)
    Tenho a meu favor o fato de possuir uma empresa que me rende um bom dinheiro mensalmente, porém acompanhado com outro tanto de stress e problemas que quero me livrar o mais rápido possível!. Ainda não tenho 1 real investido para meu objetivo, pelo contrário, meu saldo é negativo já que ainda tenho dívidas da compra e adequações da empresa. 2011 será para pagar o resto de dívidas de investimentos, porém em 2012 entro com tudo. Tenho condições de poupar cerca de 10K mensalmente que o farei por 5 anos. O que tenho contra meu plano é o fato de eu ser averso ao risco, portanto, renda variável não é pra mim, logo dependo da renda fixa. Após os 5 anos pretendo me desfazer da empresa o que irá acrescentar cerca de 300 à 400k na minha poupança. No fim do prazo pretendo uma renda de 6 à 8k, sendo que 5K já é mais que o suficiente para o meu padrão de vida. Resumindo é isso!
    Em relação ao casamento, como tudo na vida há vantagens e desvantagens. Uma das vantagens é que 2 pessoas conseguem viver com 1,3x o que seria necessário para 1 pessoa viver, explico: carro compartilhado, TV a cabo compartilhada, computador compartilhado, compra do mês compartilhada, etc...
    Em relação ao seu plano, acho 1000% viável, vc só não o realiza se não quiser. Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Corey, me chamo Luiz, e gosto muito dos seus comentários aqui..."Sou avesso a RV",mas "tenho uma empresa", infelizmente no Brasil ter uma empresa é o supra sumo da RV. No meu caso tenho 60% alocado em RV e 40% em RF, e não tenho espírito empreendedor(na verdade coragem mesmo), para abrir um empresa, franquia... Sei que vão ser redundante e soltarão à pérola " cada um é um"....Mas só sendo realista com os impostos, violência, corrupção e principalmente o risco - custo Brasil, ser dono do próprio negócio é o topo da RV!
      Um abraço e felicidades!

      Excluir