quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Como perder dinheiro com planos PGBL e VGBL - Parte II

Obs: para os desavisados, dêem uma olhada antes na parte I do artigo.

Por que a mídia tem sempre que tratar o indivíduo como um ser menos inteligente do que ele realmente é? Por que ela teima em não responder as perguntas realmente importantes? Por que os textos são na sua maioria das vezes genéricos e praticamente não ajudam a pessoa a tomar uma decisão informada?

Esse tipo de praga está especialmente alastrada no meio financeiro. Afinal, se existem abominações como astrologia financeira é porque tem algo muito errado acontecendo. Hoje vamos ver na prática como os textos sobre PGBL e VGBL não ajudam e muitas vezes atrapalham o investidor comum a tomar decisões financeiras.

Os artigos geralmente são extremamente parecidos e seguem o seguinte padrão:

1- Como investir mais cedo em previdência privada possui consequências exponenciais ou na contribuição necessária ou no montante final.
2- Diferenças básicas entre PGBL e VGBL, geralmente ressaltando as virtudes dos 12% do PGBL.
3- Regime tributário de ambos os planos
4- Explicação rápida sobre as taxas de carregamento e administração.

Não vou utilizar como exemplos sites dos bancos ou de seguradoras pois eles tem todo o interesse em enganar o investidor em benefício próprio.

Exemplo 1: Invertia - Terra
Exemplo 2: Guia UOL Economia
Exemplo 3: Dinheirama
Exemplo 4: Globo Economia
Exemplo 5: IG - Poupa clique

Sempre as mesmas informações, sempre os mesmos resultados, sempre a mesma enganação.

Mas você deve estar pensando... "mas peraí Independência, e os 12% de abatimento do PGBL? É uma vantagem absurda a favor desses planos! Até o Gustavo Cerbasi é a favor de previdência privada nesses casos!! Deixe de birra!"

No livro Investimentos Inteligentes, Gustavo Cerbasi devota todo um capítulo para a previdência privada. No livro ele diz:

"Também com uma boa escolha você poderá colher, no longo prazo, resultados inalcançáveis por meio de fundos com estratégias de investimento semelhantes". (Grifo meu)

"Os recursos do investidor serão investidos em um fundo de previdência, semelhantes aos fundos que acessamos através dos bancos, mas que é específico para a finalidade de previdência. Essa característica traz grande segurança, pois todos que investem nesse fundo têm objetivos de longo prazo - o que permite a seu gestor fazer escolhas mais adequadas para um perfil dessa natureza. " (Grifos meus)

Vejam o canto da sereia, "grande segurança" (até onde eu saiba adicionar um intermediário entre você e seu investimento não aumenta a segurança dele, ao contrário adiciona o chamado risco de gestão), "seu gestor fazer escolhas mais adequadas" (como se o gestor tivesse uma capacidade maior do que você em saber o que é melhor para si).


"Além das vantagens matemáticas que os planos de previdência podem trazer, existem também vantagens estratégicas para a proteção da família"

Não dá para discutir com a matemática, não é mesmo?

"Não resta dúvida de que planos de previdência privada são a maneira mais simples e segura de enriquecer. Provavelmente, não é a maneira mais rápida, mas a segurança é inquestionável"
Mais uma vez, não há segurança adicional alguma. Pelo contrário, é um risco a mais que se corre pois a seguradora pode quebrar. Engraçado que antes a previdência privada possuía vantagens matemáticas e um parágrafo depois ela provavelmente já não é a mais rápida.

"Obviamente, se você se considera um investidor ativo, conhecedor do mercado e das melhores oportunidades, não precisa pagar taxas de serviços para construir sua riqueza, e sua rentabilidade diferenciada pode até superar o benefício fiscal obetido pela previdência"

Segundo o autor, se eu não for um investidor ativo, eu não tenho chance de superar a previdência privada, já que não obterei a tal "rentabilidade diferenciada". Notem que está implícito que apenas as vantagem da taxa não é suficiente para superar a previdência.

Resumindo, o autor considera que a previdência privada possui vantagens matemáticas comparados aos demais, mas que ao mesmo tempo não é o método mais rápido de se acumular riquezas. Meio confuso, mas vejamos que conclusões ele chega posteriormente no livro:

Retirado da página 231 do livro Investimentos Inteligentes


Veja que ele sequer comparou com Tesouro Direto ou aplicação direta na bolsa. Além disso, cadê a taxa de administração? Segue a explicação do autor sobre os cálculos:

Clique para ampliar!!!

Ok, rentabilidades idênticas são impossíveis de acontecer. Qual é a utilizade então de algo que sabemos que NÃO acontecerá em hipótese nenhuma? Por que não pegar a rentabilidade histórica média do Ibov menos a taxa de administração e comparar com um portfolio 51% renda fixa 49% bolsa e outro 100% renda fixa? Não estamos tratando de detalhes aqui, mas de uma diferença fundamental que modifica completamente o resultado final! E cadê a taxa de administração?!???!??!?

Além disso, como assim "provavelmente será mais rentável"? Como ele chegou nessa conclusão? Pior, como se chega numa decisão "provável" em um estudo hipotético desse tipo?

Por fim, a idéia de que 10% a 20% seja uma rentabilidade aceitável para a bolsa no longo prazo não possui qualquer base com a realidade. Prova disso pode ser visto no livro do ano de 2009 do Instituto de Pesquisa do Credit Suisse, cujo gráfico mostro abaixo:


Bem longe dos 10% a 20%.

Para concluir essa parte II, vou colocar um "achado" pessoal meu, que é um e-mail que troquei com o próprio Gustavo Cerbasi em janeiro de 2006, o que me causou ainda mais estranhamento das posições que ele defende no livro. Meu e-mail:

Gustavo,

Na entrevista que você concedeu à revista Você S/A desse último mês, você informou que, se comparados ao longo prazo a Previdência Privada não é o investimento mais adequado. Eu tenho essa dúvida há muito tempo e até hoje não vi cálculos concretos demonstrando a taxa líquida de retorno no investimento feito em um fundo de previdência privada. Eu tenho a impressão que o fundo de previdência privada geralmente vence, desde que se deduza os 12% anuais, que esse dinheiro esteja na faixa de 27,5% do IR e que se reinvista o dinheiro que deveria ir para o Governo, ainda que em um outro fundo (renda fixa, etc). Você levou em conta esse reinvestimento no cálculo realizado para informar que os fundos de previdência privada ao longo prazo não valem a pena?

Não tenho dúvida, porém, que deve-se dar um cuidado especial às taxas de administração e carregamento que os bancos nos extorquem, digo, cobram, pois com 3% de taxa de administração ao ano + carregamento é quase impossível obter uma rentabilidade adequada.

Parabéns pelo seu sucesso. Você sem dúvida batalhou para merecê-lo.

Engrçado que mesmo há tanto tempo atrás eu já tinha um olho bem aberto pra essas taxas cobradas pelos planos de previdência privada. Vejamos a resposta:

Olá XXXXXXXX,
Obrigado por seu e-mail. Você detectou o motivo de minha conclusão. Apesar das vantagens tributárias da previdência, os elevados custos praticamente fazem com que seu desempenho empate com o de bons fundos de renda fixa. Se você levar em consideração a possibilidade de perda de oportunidades que o "engessamento" do plano lhe confere, não fica difícil optar pela auto-disciplina e escolher bons fundos.
Um abraço
Gustavo Cerbasi
Cerbasi & Associados Planejamento Financeiro
Rua Doutor Neto de Araújo, 320 - cj. 1209
Vila Mariana - São Paulo - SP - 04111-001
Tel. +55 11 5573-6611
www.cerbasieassociados.com.br

Minha cara após reler o e-mail hoje (não, não sou eu).

Preciso explicar mais algo?

Na verdade, se você é um leitor atencioso, sim, preciso mostrar os cálculos do PGBL ante a vantegem fiscal de 12% e comparar com investimentos diretos em bolsa/renda fixa/tesouro direto, além de outros cálculos interessantes, o que vai ser feito na parte final. Até lá!

45 comentários:

  1. IF,
    Muito bom o seu blog, já venho seguindo há alguns meses. Também estou na luta, sendo que tenho uma desvantagem - já tenho quase a idade que você quer ter na sua independência financeira.
    Em março de 2009, meu banco colocou uma planejadora financeira à minha disposição para conversarmos sobre investimentos. Já tenho certo capital, claro. Ela desfiou as grandes vantagens da previdência privada. Fizemos simulações, etc. Vim para casa pensar. Fiz as minhas simulações, com tabelas de juros compostos. Cheguei em uma diferença ABSURDA no final dos 20 anos que calculamos (considerando os 60 anos). Enchi-me de coragem e dedicação e comecei a estudar mais sobre o mercado de renda variável, investir na bolsa etc. Alguns cursos depois, cá estou eu, já investidora. Sem grandes sucessos até agora, mas sem grandes "prejus" - mas principalmente com uma estratégia mais clara. Aliás, gostaria muito de ter uma planilha de acompanhamento igual à sua, mas meus conhecimentos de excel e matemática financeira deixam a desejar - e a falta de tempo não ajuda...

    De resto, parabéns por mexer nesse vespeiro que é a previdência privada.

    Não sou de ter arrependimentos na vida, mas um deles é o de não ter tido possibilidade (até financeira, estrutural e macroeconomica, por que não dizer?) de ter começado um planejamento bem antes. Parabéns mesmo.
    Morro de vontade de fazer um blog de acompanhamento (para mim e para quem mais servir) e ter essa obrigatoriedade de acompanhar e me organizar.

    Abraço e continue com esses posts interessantíssimos.
    Adriana

    ResponderExcluir
  2. clap clap clap....
    Abordagem muito clara, texto estimulante.
    Confirmou o que por muitas vezes tentei enxergar qual era a vantagem.

    abc,

    ResponderExcluir
  3. IF,

    Dá pra ver sua indignação somente pelo jeito que você escreveu este post! rsrsrs

    Parabéns pelo artigo e estarei aguardando ansioso pelos cálculos comparativos finais.

    Seria interessante se você também comparasse os Fundos de Previdência Privada dos grandes Bancos.

    Assim, daria pra ver qual é o maior cara de pau entre eles. (Ex. Itaú cobrando 4% a.a no TD).

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Excelente artigo, estou esperando ansioamente os próximos! Nunca li nada tão claro a respeito!

    ResponderExcluir
  5. Parabens pelo excelente post. O grande problema da previdência privada é que as altas taxas comem todo e qualquer beneficio tributário.

    ResponderExcluir
  6. Fala Viver de Renda!

    Cara, você tem o olhar critico que falta nas pessoas...
    Não sei se você é assim... mas eu nunca acredito em nada do que me falam... até que eu possa analisar e provar que é verdade...
    Mas acho que falta na população ser "meio do contra"!
    É bem o que falam... tudo aquilo que é bom para o banco ... provavelmente não é bom para você!

    Realmente o sucesso financeiro esta nas nossas mãos... ficar dependendo de gestores ou de terceiros é complicado...

    Investimento não ter que ser algo complicado e nem engessado... você tem que ter a liberdade de mudar se achar necessário! E sem perder anos de rendimento com isso!

    è muito legal poder ler o blog dos companheiros investidores...

    Estou aguardando o final da saga pgbl vgbl!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Gostaria de fazer alguns comentários com relação à sua análise:

    1. As taxas de carregamento dos grandes bancos realmente inviabilizam qualquer rentabilidade decente. Porém, escolher os planos desses bancos é comparável com escolher fundos DI com 4% ou mais de taxa de adminstração. Como sugestão, indico os planos da MetLife vendidos pelo Citibank, com os quais é possível não pagar taxas de carregamento com baixas taxas de administração.

    2. Entendo que o risco de quebra da administadora é o mesmo para fundos de previdência e fundos DI ou renda fixa. Nos dois casos, o capital do fundo não está na mão da administradora, mas investido no mercado como, por exemplo, em títulos do governo.

    3. A vantagem fiscal do PGBL realmente é atraente, principalmente se o seu planejamento financeiro e tributário for bom o suficiente para permitir que você saque o dinheiro do plano ao longo dos anos no futuro dentro do limite de isenção anual do IR. Nessa hipótese você pode considerar os 27,5% do capital investido anualmente no plano como uma rentabilidade anual adicional à rentabilidade do fundo escolhido para o plano.

    É isso. Parabéns pelo blog.
    Abraços,
    George.

    ResponderExcluir
  8. Adriana, poderia falar muita coisa sobre seu comentário, mas prefiro ser sucinto: são respostas como a sua um dos pouquíssimos motivos q me fazem continuar com o blog!

    Henrique, prefiro fazer os cálculos e finalizar logo sobre previdência privada, pq é um assunto que sinceramente não é dos meus preferidos.

    Curitibatraders, concordo integralmente contigo. Se você semeia ignorância, colhe fracasso.

    George, o problema do metlife é q é apenas para clientes com + de 20k de renda e clientes private com 10m de patrimonio, n? Isso traduz numa parcela tão ínfima da população que acho q não serve como comparação. Seu segundo ponto concordo integralmente, e o terceiro é exatamente o conteúdo da parte final!

    Aos demais, obrigadíssimo pelos comentários!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Pesquisando sobre VGBL, encontrei o seu Blog, que aliás tem muita informação pertinente. Fiquei curioso em saber porque você não postou a última parte (III) deste assunto, com os cálculos "corretos", fazendo uma análise embasada dos planos de VGBL.
      Tenho interesse especialmente nos planos oferecidos por banco premium como HSBC Premier e BB Estilo, que oferecer rentabilidades que parecem compensar as perdas com as taxas de carregamento e admininstração. Também quanto à efetiva proteção patrimonial aclamada por este tipo de investimento. Sou um pequeno empresário e gostaria de proteger meu modesto patrimônio das inconsequências que a legislação trabalhista brasileira nos expõe. Então deixo as perguntas:
      1- Investindo minha poupança num VGBL, que promete rentabilidade anual média de 16%(te mando o folder do banco se quiser) nos últimos 3 anos, terei o meu dinheiro rentabilizado acima dos fundos DI ou RF do mercado?
      2- Se eu montar uma carteira de investimentos contendo os mesmos ativos que o fundo propõe: 44% de NTN, 49% de RV e o saldo em fundos DI, vou ter mais rentabilidade, pois não vou pagar as taxas, mas e quanto à proteção patrimonial? Vale a pena "pagar" por ela, na forma de taxas do VGBL?

      Conheço a história que bancos não tem interesse que ganhemos mais do que eles, mas são um instrumento de acesso ao mercado. No livro que ganhei de presente do INI, O Homem mais rico da babilônia, tem uma expressão: Colocar o dinheiro para trabalhar para nós. O Banco é apenas um "emprego" para o dinheiro. Talvez existam outros melhores, como a Bolsa ou Tesouro Direto. Como não sou especialista neste mercado, pretendo contratar uma consultoria financeira que seja remunerada pelo excesso de rentabilidade que um bom planejamento me traga.
      Vou levar o assunto do VGBL para eles também e volto a postar aqui caso tenha uma resposta para minhas perguntas, além das suas é claro.

      mais uma vez, parabéns pelo Blog!!

      abraço

      MAC

      Excluir
    2. Mac,

      1- Rentabilidade passada não tem nada a ver com rentabilidade futura. Títulos públicos pagavam 14% ao ano, hoje pagam 9%. O fundo não tem como render 16%a.a. sem correr muito risco, já que a renda fixa não rende nem perto disso atualmente. Então não espere rentabilidade fora do mercado.

      2- A blindagem patrimonial dos planos vgbl/pgbl é cada vez mais contestada na justiça, eu não contaria com isso. Exemplo: http://www.valortributario.com.br/noticias/justica-aceita-a-penhora-de-pgbl-vgbl-de-devedores.htm

      Abraços,

      VR.

      Excluir
    3. Muito interessante o debate. Já estava engatilhado para colocar 12% no PGBL e o restante do que poupar no VGBL. Posso poupar cerca de 3,5 mensais e sou leigo quando se trata de investimentos. Fatalmente meu dinheiro ficaria na poupança ou em algum CDB da vida, mas entre essas duas opções não seria melhor a previdência privada? Vou aguardar mais um pouco para saber onde coloco os aportes.
      Abraços
      Marcelo.

      Excluir
    4. Teremos a parte final?
      Fiquei curioso também. Afinal após pesquisar....acabei de iniciar um plano de Previdência. Cheguei no seguinte: PGBL (Declaração completa) Taxa Administração Anual 1%, Taxa de Carregamento Entrada 0%, Taxa de Saída 0% com mais de 36 meses que é meu objetivo e sem necessidade de liquidez. Ainda sim corro risco de perder?

      Excluir
    5. Muito provavelmente não.

      Corre sim.

      Abs,

      VR.

      Excluir
  9. Iefe,

    Parabéns pela série. Junto-me ao George: há planos nao necessariamente fechados a renda tão alta que tem taxa de administração mais baixa (os planos Estilo do BB, por exemplo). OK, não são abertos ao público em geral mas tb não se restringem apenas aos 'ricaços'.

    No aguardo curioso sobre o fim da série.

    Abs,
    LF

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Muito bom o texto como sempre.

    Só vou postar uma crítica se me permiti quanto a sua observação do nível intelectual médio da "população",não é que ele seja baixo.É que simplesmente as pessoas fazem as coisas sem pensar.Tenho quase certeza que se você postar uma conta errada aqui no blog ninguem vai perceber faça o teste ;)e muitos nem tem conhecimento teórico para fazer as contas.

    Do mais não precisava bater em cachorro morto,já esta mais que comprovado que PGBL e PGBB é uma porcaria.

    Como sugestão não esqueça de avisar aos leitores que nem todos planos de previdência são PGBL ou PGBB.Existem(mas não são mais vendidos) bons planos como o tradicional que garante rentabilidade mínima(muitos IGPM+6%) e tem uma tábua de mortalidade muito boa.Alguns leitores podem confundir e sair de uns bons planos.

    Outra sugestão faz um artigo deixando claro para os leitores que gerente de banco,planejador financeiro e sabe mais sei la quem do banco trabalha para o Banco.

    Grande Abraço,
    JC

    ResponderExcluir
  12. Amigo,
    Achei seu Blog através do Blog HC INVESTIMENTOS. Verdadeiro soco no estômago este texto sobre previdência privada, mas muito bem vindo... A verdade não existe para ser agradável!

    E eu colocando mais de 6 mil por mês em PGBL... Tenho exatamente 0% de taxa de carregamento e 1,5% de taxa de administração. Este ano extrapolei os 12% de restituição que tenho direito (apliquei mais do que posso abater), mas sempre investi no valor exato da restituição que poderia receber. Pergunto: na minha situação, coma as taxas que tenho, vale a pena aplicar o valor exato de quanto posso receber de restituição do IR? Caso contrário, por quê a cada 2 anos sacr tudo e pagar 35% de IR? Agradeço muito sua opinião.

    ResponderExcluir
  13. Em tempo: meu fundo de previdência agressivo do HSBC já bateu 20% de lucro este ano. E aí? Teria um valor mínimo de rendimento anual para que vc considerasse o PGBL um investimento razoável, já descontando todas as taxas e impostos? SDS.

    ResponderExcluir
  14. Rachei de rir com a foto no final do post. Conheci teu blog hoje, muito bom! Sucesso!

    ResponderExcluir
  15. Olá,

    Boa divulgação sobre o assunto! É muito importante as pessoas saberem sobre isso, pois os gerentes dos bancos agem com má fé ao tentarem vender estes planos.

    Falo isso por experiência própria, pois eu era um estagiário na época, nem declarava imposto de renda e a gerente do Itaú me convenceu que o PGBL era um ótimo plano para mim!! Entrei numa fria e simplesmente perdi um terço de todo dinheiro aplicado, entre 5% de carregamento + taxa administração + 27,5% de imposto de renda quando fiz o resgate total depois de um tempo...

    Se eu tivesse ficado com o dinheiro parado debaixo do colchão já teria sido muito melhor!

    Vai me dizer que vender PGBL para uma pessoa que nem declara imposto de renda não é má fé?

    Obrigado.

    Abs,
    Mário

    ResponderExcluir
  16. JC, obrigado pelos comentários!

    George, LF e Maspimentel, usarei como exemplo para a parte final exatamente um plano com taxa de carregamento de 0% e tx. de administração de 1,5%. Estou tão curioso quanto vocês para saber o resultado :P

    Maspimentel, a parte final foi obviamente uma ironia... se vc quiser perder dinheiro retire seu pgbl a cada 2 anos. Seu fundo pelo visto está péssimo tendo em vista o retorno de + de 70% do ibov esse ano.

    Mário, vc infelizmente não é o primeiro nem será o último que vi que fez pgbl e nem declara imposto de renda. Mais que má fé, é um crime (no caso, estelionato).

    ResponderExcluir
  17. IF,

    Concordo que o IBOV pocou este ano, mas a minha idéia (que será provada com seus cálculos) é usar o benefício fiscal. Veremos se ele vale a pena.

    Conversei certa vez com o Paulo Portinho do INI, quando deu um curso em minha cidade sobre investir em ações. Ele tbm foi terminantemente contra a previdência privada. Não me explicou muito, mas disse ser melhor montar uma carteira de ações que paguem pelo menos bons dividendos (vide as velinhas americanas que tem um portfólio vitorioso há anos, baseado em dividendos). Feliz 2010. SDS.

    ResponderExcluir
  18. É interessante também colocar no cálculo os 4% de ITCMD que o Fisco Estadual cobra na transferência de bens causa mortis - em São Paulo, tal transferência é regida pela Lei Estadual 10.705 - que toma como base de cálculo o valor de mercado do bem no momento da abertura da sucessão, vide art. 9º, caput e seu respectivo parágrafo 1º. É importante destacar que tal imposto incide sobre todo o patrimônio acumulado, no caso de transferência de titularidade de ações.


    Na transferência do investimento em PGBL, não há incidência desse imposto. É interessante fazer o comparativo entre os produtos usando também tal argumento, e daí verificar se a incidência de tal imposto faz ou não um produto ficar atrás de outro.



    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

    ResponderExcluir
  19. Bom sou um novato nos assuntos financeiros, fiz uma tremenda besteira ao aderir a um PGBL...gostaria de saber a opinião de vocês a respeito do seguinte: Eu espero não precisar fazer nunca a declaração do IR no modelo completo, sou daqueles caras bem conservadores que não tá afim de arriscar o dinheiro com grande possibilidade de perda. Qual a melhor forma de investir cerca de 20% da renda mensal, em torno de 1500 reais? Agradeço e espero sugestão porque como eu falei anteriormente, meus conhecimentos financeiros são zerados!! Renda fixa, poupança, aações...

    Paulo

    ResponderExcluir
  20. Tenho um plano VGBL Jovem no HSBC desde dezembro de 2009. Até hj depositei 1050 reais e no plano tem apenas 1030 reais. Estou muito decepcionada.
    Cadê o rendimento? Cadê as promessas que não teria prejuízo? E meus 20 pila???
    Não dá pra confiar em banco nenhum.

    ResponderExcluir
  21. Cara pra mim este é um dos melhores artigos até agora que li aqui no seu blog.

    Acho que seria interessante você fazer um ranking com os planos PGBL/VGBL com as maiores taxas de adm e carreg. e com as piores rentabilidades, que tal.

    Abcs

    ResponderExcluir
  22. Olá,

    Claro, profundo e ético.

    Afinal, qual o valor do resgate líquido considerando 8% rentabilidade, após 20 anos, com mensais de R$500,00 e aporte inicial de R$35mil, por exemplo para VGBL, PGBL ?

    Grato.

    Felipe Dantas

    ResponderExcluir
  23. To adorando esse blog diga-se de passagem!
    Cara, primeiro que os bancos querem ganhar, e não critico eles, nosso problema (do Brasil) é estrutural, o país não dá as pessoas educação formal de qualidade, quem dirá educação financeira. Ai entram os bancos fazendo sua parte e gerando retornos ridículos para os clientes desinformados e retornos espetaculares para as instituições, (vejam os lucros do ultimo semestre dos bancos, divulgados recentemente).
    Cabe àquele que realmente pretende alcançar um nível satisfatório de patrimonio buscar conhecimento na área, assim como vejo que todos aqui estão fazendo.

    ResponderExcluir
  24. boa IDEIA VOU MONTAR UM NEGOCIO ISPIRADO EM VC.......WWWCOMONAOPERDERDINHEIRO.BGD MESMO...

    ResponderExcluir
  25. Meu amigo,
    tenho que informar que você está BASTANTE enganado em relação aos planos PGBL e VGBL. E o que é pior: Você está sendo hipócrita, pois ao mesmo tempo em que você fala que os bancos e instituições estão enganando as pessoas, gostaria de informá-lo que você, com estes textos está fazendo exatamente a mesma coisa.

    Este seu texto sensacionalista acaba por enganar facilmente as pessoas. Qual o real objetivo deste BLOG? Se o real objetivo do blog é orientar as pessoas sobre as instituições que estão tentando enganá-las diariamente, então você deve ser fiel com a verdade.

    Por qual motivo você considerou planos de previdência com carregamento máximo (sim máximo praticado no mercado, 5%) e tx de administração absurdamente alta, perto do que é praticado hoje pelo mercado (1%, 1,5%)??

    Outro "detalhe": Por qual motivo utilizou a tabela de imposto regressiva, "orientando" o resgate antes de 2 anos para pagar 35%?? Você mencinou que este investimento no longo prazo para aplicações únicas é tributado em 10% e que aliquota como esta você não encontra em lugar algum? E por qual motivo você não comentou sobre a forma de tributação compensável, que tributa em 15% independente do tempo, compensada na declaração PF do participante (podendo ser isento ou em aliquota de 7,5%) ????????

    Você comenteu DIVERSOS erros graves.

    Seu conhecimento deve ser bastante limitado para não saber que os planos de previdência não respondem a massa falida das instituições e que em caso de falência, outra instituição adrministraria um fundo de previdência.

    Você não comentou por qual motivo o fato de proteção, planejamento sucessório, proteção patrimonial e diversos outros fatores que tornam a previdência interessante.

    Você esqueceu também, que diferente de outras formas de investimento, este tipo de produto não antecipa impostos, sendo consideravelmente importante no longo prazo.

    Fico impressionado com sua hipocresia e sua facilidade de mencionar apenas o lado "negro" das coisas, "esquecendo" os lados positivos.

    Ass: Bruno Redivo.

    ResponderExcluir
  26. Bruno,

    Até onde eu saiba o grosso dos fundos de previdencia continuam cobrando taxas extorsivas tanto de carregamento quanto de administrcao, sendo esta ultima muito mais danosa no longo prazo. O que vejo é o contrario, fundos cobrando até acima de 3% a.a., tornando o banco um socio da rentabilidade do investidor. Mesmo taxas de 1-1,5% sao altas e consideradas carissimas em mercados mais desenvolvidos como o americano.

    10% de alíquota não é nada demais. Pago hoje 0% na renda variável, e aí? Do que adianta ter uma alíquota diminuída 5% ao final de 10 anos se eu tenho que deixar num fundo que me toma 1-3% todo ano? Se na renda variavel a tributacao é mais vantajosa para o investidor individual, na renda-fixa a máxima continua verdadeira até acharmos fundos com 0% de taxa de carregamento e até 0,3% de tx. de adm.

    Tesouro Direto, CDBs, FIIs, Acoes... nada disso antecipa IR, salvo os fundos come-cotas que eu nunca recomendei a ninguem.

    Alem disso, outro ponto basicamente ignorado pelas pessoas que é a aliquota maxima de 49% em RV quando, no longo prazo, a probabilidade da RV ser superior à RF é grande. Asset allocation faz toda a diferença e o governo limitou as mesmas nos planos de previdencia.

    A verdade é que, hoje, previdencia privada é um mecanismo bem ineficiente pra se acumular ou guardar capital, por sofrer serios problemas de liquidez e principalmente pela rentabilidade menor oferecida ante o mesmo risco. É um produto voltado para pessoas ignorantes em investimentos (ou seja, a maioria da populacao).

    A minha "hipocresia" é baseada em fatos, e o fato é que estes produtos pouco favorecem os investidores dado os custos proibitivos e alternativas mais rentáveis.

    Nao adianta jogar pedras em mim, eu sou só o mensageiro...

    ps: sei bem da protecao da massa falida mas obviamente voce está adicionando um nivel (desnecessario e nao recompensado) de risco a mais pela introducao do "manager risk".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho que discordar com o amigo, uma vez que as taxas de adm diminuíram bastante nos últimos tempos, por exemplo no meu PGBL tenho uma Tx de 0,5% ao ano e se considerar o benefício fiscal! digo diferimento! permitido com uma tabela regressiva associada, não vejo investimento melhor. Já estudei milhares de vezes o TD, FII, sendo que também aplico nesses dois últimos como forma de diversificação, mas a PP, na forma de PGBL e com incentivo fiscal é imbatível. Me desculpa aí, mas falta a vc um pouco mais de informação a respeito do assunto

      Excluir
  27. Que bela discussão!!!Alto nível!!!

    Fiquei preocupado agora, meu PGBL é 49% RV, só escolhi depois de ler a opinião positiva numa reportagem do Gustavo Cerbasi que é o maior guru de finanças pessoais do Brasil. Na época não duvidei. Mas agora já não sei de mais nada.

    ResponderExcluir
  28. caro Viver de Renda. Gostei muito de sua sua iniciativa de discutir abertamente os rendimentos do PGBL, pois realmente há muitas dúvidas e incertezas quanto suas vantagens e desvantagens. Contudo, devo dizer que fiquei um pouco decepcionado na sua análise, pois ela simplesmente ignora o principal benefício do PGBL - restituição de até 27,5% (limitado a 12% da renda tributável). Desconsiderar tal benefício não contribui para uma boa análise. É preciso fazer simulações realistas com o mercado (com taxas de carregamento e tx adm boas e ruins), a fim de que se possa avaliar o produto financeiro. Saudações e parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  29. Só otários tem PGBL.

    ResponderExcluir
  30. Ou funcionários com contra-parte da empresa :) Ou alguém te dá dinheiro?

    ResponderExcluir
  31. Se considerarmos na análise do PGBL o fato que a empresa não irá recolher INSS nem FGTS o resultado muda. Isso é, se considerarmos o PGBL como uma forma de remuneração com resgate a longo prazo ele passa a ser vantajoso. Claro que esse benefício só é compreendido por (alguns) funcionários de alta gerencia mas não podemos dizer que ele não existe.

    ResponderExcluir
  32. Em função do que li aqui resolvi fazer uma simulação para investimentos programados durante 30 anos, considerando meu plano de previdência (previdencia fechada do BB)com taxa de carregamento = 3,5% e Taxa adm.=0 (zero). Comparei com um investimento no tesouro direto, realizado pelo BB (taxa de custódia=0,5%) e taxa de negociação=0,1%.
    Considerei o investimeto de 5.000 por ano em ambos os casos (cerca de 5% de minha renda anual)e benefício fiscal de 27,5% no caso do PGBL(pra quem faz declaração de IR no modo completo) e regime de tributação regressivo (10% do total na fonte). Considerei também reinvestimento de 100% do benefício fiscal.
    No caso do TD teremos 15% de tributação sobre os rendimetos.
    Para ambos os casos considerei rendimento de 10% ao ano (é razoável, sendo que grande parte do PGBL é composto de títulos públicos)
    Os resultados foram os seguintes:

    Montante total líquido ao final de 30 anos:
    Tesouro Direto = 670.410,07
    PGBL = 988.070,68

    Conclusão: No longo prazo, desde que as taxas não sejam muito altas e contando com o Benefício Fiscal, o PGBL que aplico é muito vantajoso, ao contrário do que o administrador do site afirma com tanta veemência.
    Obs: Considero a comparação de PGBL com ações ou fundos de ações descabida, pois apesar de historicamente as ações se apresentarem como boa opção no longo prazo, o risco de investimento em RV ainda é muito alto, sendo mais adequado para quem acompanha o mercado diariamente, que não é o meu caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com o FRED, façam as contas meus amigos

      Excluir
    2. Para falar do Tesouro Direto, você tem que mostrar qual título público utilizou no cálculo, já que existem os que rendem menos (atrelados à Selic) e os que rendem bem mais, como o Tesouro IPCA, que rende atualmente 7% + variação do IPCA. Tendo apenas 0,30% de taxa de administração.

      Excluir
    3. O cara compra TD pelo BB pagando custódia e vc ainda responde?

      Excluir
  33. Muito obrigado pelas informações passadas. Pergunto a vc, caso possa responder:
    Tenho PGBL fundo fechado, com taxa de carregamento de 4%,sem tx adm. Pretendo ficar 12 anos. Recebo de volta, todo ano, 27,5% do que eu paguei no ano anterior. Meu plano rende por volta de 90% do CDI. VOCÊ ACHA QUE VALE A PENA?

    ResponderExcluir
  34. Boa tarde,
    comecei a ler seu blog agora e tenho tentado aprender sobre como viver de renda e me aventurado no mercado. Ao ler seu post eu ainda fico na dúvida, pois não consigo ver essa desvantagem tão grande no meu PGBL. Vamos lá:
    1 - tenho um PGBL do BB sem taxa nem de carregamento nem de administração caso eu fique mais de 2 anos com ele (já tenho esse tempo).
    2 - Carrego cerca de R$ 800 por mês e no fim do ano contribuo para que chegue aos 12% do meu salário. Este ano chegou ao montante R$ 74.194,02 de valor com rendimento no ano de R$ 7541,85.
    3 - Ao colocar no imposto de renda, devido ao imposto retido na fonte, conseguirei receber de devolução no imposto de renda o valor de R$ 3150,00 a mais do que sem ele.
    4 - O IR já está em 15% devido a quantidade de anos de contribuição.

    Agora, será q esse valor q recebo de dedução não deve ser colocado como somatório já que também o recebo por ter ele e declarar no imposto de renda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Helga, com taxa de adm. e de carregamento de 0% e tendo imposto a deduzir o PGBL se torna um investimento mais interessante.

      Excluir