quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Quantas ações preciso possuir pra diversificar meu portfolio? - Parte III

"Dell Effect":

Como vimos anteriormente, um grupo de ações tende a possuir obliquidade positiva nos seus retornos¹, e esse efeito é ainda mais pronunciado nas ações com valor de mercado pequeno, as chamadas small caps.

A razão da existência dessa obliquidade é clara: existem algumas poucas ações com retornos muito acima da média. Pense numa OGX (~550% de apreciação nos últimos 5 anos vs ~100% do Ibov) ou Dell (cada ação valia 0,09 dólar em 1990 e hoje vale 14,13 dólares, uma apreciação de ~15.500% em 20 anos²).

Existe um estudo bem interessante de Fama & French³ que demonstra o fundo small value teórico criado por eles e a razão do excesso do retorno de tal fundo, desde 1927 até 2005:

Em média (retorno) :

74% das ações permaneceram no fundo: -0,5%
18% deixaram de ser ações de valor e 2% foram adquiridas: 4.2%
3% das ações tornaram-se grandes: 5.4%
Ações que entraram no fundo ou faliram: -0.2%

Total excesso médio anual de retorno do fundo: 9.2%

Ou seja, 3% das ações foram responsáveis por 60% do excesso dos retornos e 21% das ações foram responsáveis por todo o excesso do retorno do fundo. Está aí o efeito do "Dell Effect" no "fundo" que pretendo criar.

A mensagem, portanto, é clara. Temos que caçar as futuras ações que irão explodir, que serão a próxima Dell, sob pena de todo o esforço investindo em valor e em empresas pequenas ser em vão. Como saber de antemão quais empresas entrarão nesses 3% "mágicos"? Obviamente, ninguém sabe. A única alternativa, portanto, é simular o comportamento de um soldado americano no Iraque: atirar pra todos os lados (diversificar), na esperança de atingir um terrorista (Dell), ainda que 97% das balas atinjam civis (ações com comportamento normal do mercado). Nesse caso, o número de balas faz toda a diferença. Quanto mais ações investirmos, maior é a chance de se acertar as ações que queremos.

Terminal Wealth Dispersion:

No entanto, a quantidade de ações a se investir é bastante razoável. A escolha delas, ainda que randômica, possui efeitos decisivos no retorno futuro. Apesar de todas possuírem a mesma expectativa de retorno, o retorno realmente auferido é bem distinto, devido ao desvio-padrão elevado de um ação individual. A consequência desse fato é que os valores finais dos portfolios, ainda que com a mesma expectativa de retorno, são largamente diferentes. Não é incomum um portfolio em 20 anos crescer 350% em 20 anos e outro crescer 7.000%. Essa dispersão final dos retornos é chamado lá fora de Terminal Wealth Dispersion (TWD).

Willian J. Berstein fez uma simulação com portfolios contendo 15 ações randômicas, em proporções iguais, por 10 anos (1989-1999). Aqui o resultado com o retorno geométrico anualizado:

O retorno do S&P500 em proporções idênticas no período foi de ~24%a.a. No entanto, com apenas 15 ações, seu retorno poderia ter sido entre 12% e 50%, e a maior parte deles está abaixo de 24%. A razão é óbvia: a maior parte dos retornos foi obtida por uma quantidade pequena de ações. Observe que não estamos falando de small caps ou ações de valor: mesmo índices large cap com foco em crescimento (growth) são suscetíveis a esse efeito, ainda que de forma menos intensa. Portanto, o recado aqui fica a cada momento mais e mais claro: diversifica-se não apenas para reduzir risco, mas para assegurar a própria sobrevivência do portfolio...

Na próxima parte falarei do modelo de três fatores de Fama & French (3FF) e as suas implicações para a diversificação de um portfolio de ações.

Rumo aos R$200k!

¹ -Beedles, 1979; Schwert, 1990; Aggarwal, 1993; Alles e Kling, 1994; and Bekaert, Erb, Harvey, e Viskanta, 1998
² - Como curiosidade, a ação da Dell chegou a valer quase 60 dólares no auge da bolha .com em 2000. Quantas décadas até ela recuperar o topo (se é que um chegará lá)?
³ - Financial Analysts Journal. Vol 63, No. 3. 2007

17 comentários:

  1. Mais uma vez *Excelente!*

    Às vezes fica repetitivo falarmos da importância da diversificação mas com esses tipos de estudo podemos comprovar sua relevância de forma simples e clara de entender.

    Parabéns pela pesquisa e pela organização do conteúdo.

    Só falta agora colocar essa série nos tópicos "Próximo Foguetão na Bolsa" visto em alguns fóruns aqui no Brasil...tsc tsc tsc...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Caraca VR pare de trabalhar e comece a escrever livros! não está milionário porque não quer! kkkkk

    ResponderExcluir
  3. Eu estou vendo na prática o Dell Effect... após 1 ano de comprado, enquanto 5 ações smallcaps minhas tem rendimento negativo aproximado de 5%, outras duas ações estão com rendimentos de 120% e 85% (e subindo). Não que as ações com 5% negativo sejam ruins, estão fundamentalistamente longes disto, o problema delas é o baixo volume de negociação. Mas tudo bem, enquanto os balanços vierem excelentes, eu não tenho pressa... =)

    ResponderExcluir
  4. O queeeeee!!!!!?????

    Três artigos em apenas um mês, ou melhor, metade de um mês!!?? Deixa eu me beliscar aqui pra ver q não estou sonhando.....kkkkkkkk......


    Parabéns, VR, pela qualidade dos artigos postados. Estou sendo apresentado a novos e interessantes conceitos que até então eram desconhecidos de minha mente. Continue o ótimo trabalho!



    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  5. "Show de bola" seu artigo VR.

    Hoje a tarde estava fazendo uns aportes na minha carteira e me senti igual aquele soldado da foto no seu post. Mas só comprei 2 opções.

    Parabéns pela qualidade do artigo.

    ResponderExcluir
  6. VR,

    belo artigo! Teu retorno aos posts foi áureo!

    Fale bonito,

    quais são, por gentileza, essas small caps objeto de investimento?

    ResponderExcluir
  7. Não entendi seu raciocinio. Vc está pensando em sair dos ETFs mas todos estes são argumentos a favor do investimento em ETFs. E ai???

    ResponderExcluir
  8. sim, pense num papo doido...

    ResponderExcluir
  9. e este argumento do dell effect é justamente o dos ETF...

    ResponderExcluir
  10. Muito bom VR! Boa reflexão.
    .
    Agora repito a mesma pergunta do colega IF:
    .
    "Não entendi seu raciocinio. Vc está pensando em sair dos ETFs mas todos estes são argumentos a favor do investimento em ETFs. E ai???"[2]
    .
    Abcs

    ResponderExcluir
  11. Belo artigo VR,

    Fiquei com a mesma dúvida dos colegas acima. Em artigo anterior vc falou em liquidar as ETFs, concluo portando que foi apenas um erro na escrita, estou certo?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Galera, pelo que entendi o VR vai sair dos ETFs por causa da tributação, ele vai comprar as ações e criar sua própria carteira para se beneficiar lei dos 20k mensais.

    Corrijam-me se estiver errado.

    ResponderExcluir
  13. Henrique: Obrigado!

    Anonimo: Menos kkk...

    Hotmar: kkkkk... pois é, surgiu um tempinho e resolvi falar sobre esse tema tão importante!

    Investir aos 40: Continue atirando hehe...

    Deuteron: Obrigado!

    Inv. e Fin.: Em teoria o raciocinio beneficia os ETFs. Mas o mercado brasileiro tem suas particularidades que acaba minimizando muito esse problema. Vou falar sobre isso no proximo artigo.

    Anonimo e Willy Fog: Vejam a resp. acima.

    Jonatas: O anonimo abaixo de voce acertou o raciocinio...

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Alem do artigo que voce citou, de Fama and French, existe outro artigo que fale sobre o Dell Effect, VR? me interessei pelo assunto.

    Att, Matheus

    ResponderExcluir
  16. VR, na página de artigos, o ultimo link da parte de diversificação está quebrado?

    ResponderExcluir