terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Alteração do plano de Independência Financeira

Aproveitando a virada do ano, em que milhões de pessoas fazem promessas de mudanças (e voltam para o confortável status quo ante após algumas semanas), chegou a hora de reformular meu plano anterior, falho em vários pontos e não condizente com a realidade.

Antes de tudo, cabe aqui uma ressalva para quem, assim como eu, trilha o caminho da independência financeira: é muito fácil se estressar ou ficar ansioso na elaboração e acompanhamento desses planos. É fundamental que a pessoa analise o plano como aquilo que ele realmente é: um guia, uma expectativa, uma suposição de como será o futuro. Como nesses planos presumem-se literalmente dezenas de variáveis, a chance da realidade ser diferente do planejado é, forçosamente, de 100%. Por conta disso, é de extrema importância que o sujeito veja o plano de aposentadoria com uma única função, que é a de fornecer noções para o investidor do que pode acontecer no futuro, e não como uma moldura pela qual a realidade deve se sujeitar.

Dito isso, vamos aos problemas encontrados no plano antigo:

- Rentabilidade bruta esperada: 1,2% a.m.
- Inflação projetada: 4,29% ao ano.

A rentabilidade de 1,2% a.m. corresponde a 15,39% a.a.. Com uma inflacao de 4,29% a.a., temos um retorno real anual esperado de 10,64%. Como vimos no artigo anterior, em termos brutos, apenas duas bolsas mundiais superaram essa rentabilidade: a brasileira e a russa. Contar que teremos a mesma sorte nos próximos 15 anos é contar demais com a sorte. De acordo com alguns estudos, um retorno médio real esperado para uma bolsa de valores é de 8% a.a. (talvez ainda continue um pouco otimista). Essa, portanto, vai ser minha nova rentabilidade esperada.

A inflação anual projetada, de 4,29% a.a., está aquém da meta do Banco Central (que para os próximos anos é de 4,5% a.a. +-2%). Como toda inflação é um roubo para os detentores da moeda inflacionada em benefício dos emissores de tal moeda (no caso, governo e bancos através do sistema de reserva fracionária), o mínimo de prudência me leva a crer que o Brasil sempre estará tentado a manter a inflação nos níveis atuais do que restringir a emissão de moeda (e portanto os ganhos de senhorio) para o prejuízo do governo. A inflação projetada, portanto, deve ser no mínimo de 4,5% e não de 4,29%.

Com essa nova inflação projetada, somos levados ao terceiro problema:
- Despesa mensal média esperada: R$5.000,00 em reais de hoje ou R$10.000,00 em reais de novembro/2025.
A uma taxa de 4,29% a.a., em 199 meses (de abril de 2009 para novembro de 2025) temos uma inflação acumulada de 100%. Já com a taxa de 4,5% a.a., a inflação acumulada é de 107,5%. Portanto, R$5.000,00 de abril de 2009 seriam R$10.375,00 de novembro de 2025.

- Capital final projetado: R$3.090.000,00
O capital final projetado, frente às novas informações, está pequeno demais. Como a TSR (taxa segura de retirada) deve ser de 4% a.a. (conforme já analisado extensivamente nesse blog), o capital necessário passa a ser de R$10.375,00 x 12 x 25 = R$3.112.500,00.

Outro fato novo que houve durante esse ano foi o recebimento apenas parcial da antecipação de herança projetada. Apesar do resto dessa antecipação estar prevista para esse ano, acho mais prudente não contar mais com nenhum aporte de terceiros.

Com essas mudanças, temos certamente um plano menos otimista, apesar dos espetaculares retornos obtidos em 2009. Ainda assim, está longe de ser um plano pessimista (não considerei períodos de 10% de inflação ou de retorno de 10 anos da bolsa acumulado de 0%, p.ex.).

Os dados do novo plano, portanto, são os seguintes:

Prazo: 1º de Novembro de 2025 (igual)
Taxa mensal bruta: 1,0% a.m. (-0,2% a.m.)
Inflação: 4,5% a.a. (+0,21% a.a.)
Taxa anual líquida: 8% (-2,64% a.a.)
Valor final do portfolio: R$3.125.000,00 (+ R$35.000,00)
Recebíveis esperados: R$0,00 (- R$81.500,00)

E a informação mais importante:

Aporte mensal necessário: R$4.314,00

Praticamente R$2.000,00 a mais por mês. Para um cara que ganha R$3.000,00 mensais.

Vejam o gráfico do plano anterior (verde) comparado ao plano atual (vermelho):



Parecidos visualmente, bem diferentes na prática.

Esse novo plano não deixa de ser um "wake-up call", em que minha independência financeira talvez seja mais difícil do que eu esperava. Só não me perguntem de onde vou tirar R$4.314,00 todo mês...

Preciso de mais adubo!!!

Bem, acompanhando ou não o novo plano, rumo aos 150k!

32 comentários:

  1. Conheci seu blog a pouco tempo, mas venho acompanhando cada nova postagem.

    Sendo este um momento de reavaliações, lhe proponho que visite o site do INI (Instituto Nacional de Investidores).

    Neste, especialmente na sessão que contem os informativos do INI, você terá acesso a duas ideias simples e formidáveis: investimentos regulares e relativamente constantes, e investimento em empresas com bom histórico e boas perspectivas.

    Não há sentido fazer um mega-aporte de capital (como no caso de receber a herança "esperada") em um mês e no outro um aporte comum, dilua seus investimentos em niveis relativamente constantes ao longo dos meses.

    E por fim, tentar seguir o benchmark é por demais conservador para quem quer ter 3M em menos de 20 anos. Aventure-se a conhecer o investimento em valor (value investing) através do INI e de seus maiores expoentes ( Warren Buffett e Benjamin Graham).

    É isso aí! Estamos todos no mesmo barco!
    Lucas Machado

    ResponderExcluir
  2. o site, oras: http://www.ini.org.br/ini/site/home/

    Um adendo, me arriscaria a dizer que o IBOV pode manter um desempenho, anualizado, em cerca de 20% nesta década que inicia. No começo da década 2000 tinha-se como alternativa à bolsa uma taxa SELIC de 20-30%, isso é relativamente improvável em um horizonte de tempo visível. Assim, quem quer rendimentos na casa dos dois digitos, PRECISA ir para a bolsa.

    O IBOV possivelmente continuara batendo nos índices americanos e no japonês, já que eles não inserem os dividendos no cálculo do índice (descontando do índice um rendimento entre 1 a 4% ao ano)

    É isso aí!

    ResponderExcluir
  3. Lucas, conheço o INI há um tempo já.

    Sobre aplicar de vez um grande capital ou dividir em aportes mensais, leia sobre DCA - "Dollar Cost Averaging". Resumindo, dividir o montante em pequenas aplicações não diminui o risco e, em média, diminui a rentabilidade.

    Sobre você achar conservador ter como objetivo igualar o benchmark em 20 anos, procure saber qual o rendimento médio do investidor americano e dos fundos americanos comparado ao índice de benchmark, e a influência que o ritmo de turnover tem no retorno.

    Já estudei bastante sobre value investing mas ainda não tenho uma opinião formada a respeito.

    Sobre o Ibov rendendo 20% a.a. por mais uma década, acho que seu argumento não é válido, já que SELIC baixa não é sinonimo de bolsa alta (o nikkei que o diga!). Além disso, é matematicamente impossível isso acontecer sem o P/L ir pro espaço, já que não tem como as empresas brasileiras crescerem 15% a.a. + inflação. E você, como bom investidor de valor, deve saber o que acontece quando o índice alcança P/L estratosféricos...

    ResponderExcluir
  4. Independência financeira 42,

    Antes de mais nada, gostaria de parabeniza-lo pelo blog. As informações postadas são excelentes e trazem uma análise fria sobre o tema.
    Sobre seu último post (12/01/2010), acho que você está sendo demasiado pessimista. Em um país que tem uma taxa de juros de 8,75% ao ano, não dá pra contar com rentabilidade de patrimonio inferior a 8%. Pense em diversificação.
    Outro ponto: Cara, não dá pra pensar que vc vai ganhar 3k até os 42!!! Não sei qual é sua carreira, mas se vc for bom profissional seu salário irá aumentar. Projete um crescimento profissional (e de renda) compatível com sua carreira.
    Outro ponto: Considere em seu planejamento, coisas como: Casamento, Despesas com Carro, despesas com casa e Filho(este até acredito que dê para adiar ate os 42). Um plano desta magnitude, sem contar com ajuda de ninguem (loteria, herança, casamento com mulher rica...), envolve muitas variáveis.
    De qualquer forma, tenha um pensamento positivo, e mais uma vez parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo, obrigado pelos elogios!

    Acho que você se confundiu, a rentabilidade de 8% é líquida de inflação... a rentabilidade bruta planejada é de 12,64% a.a., que com a SELIC a 8,75% nos dá quase 4% de equity premium a.a., um valor bem razoável a meu ver.

    Quanto ao meu capital humano você está até certo ponto correto, a tendência é de valorização, o problema é que a expectativa de gastos também é de alta, com troca de carro, casamento, morar por conta propria, etc., de forma que, no meu planejamento, a maior receita é cancelada pelas maiores despesas. Daí o valor constante.

    Por fim, prefiro ter um plano mais conservador e ter uma grata surpresa no final do que um plano otimista e me surpreender (dessa vez negativamente) no futuro!

    ResponderExcluir
  6. IE 42,

    Vc já pensou em contar com a previdencia oficial? Hoje o teto está em R$ 3k. Mesmo parando de trabalhar aos 42, vc poderia continuar contribuindo com autonomo e, a partir dos 55 anos contar com os 3K do INSS. Desta forma, seu montante acumulado deveria ser suficiente para garantir R$ 5K entre 42 e 55 e a partir daí, somente R$ 2K(os demais 3K seriam pagos pelo INSS). O que acha da idéia?

    ResponderExcluir
  7. IF42, vc está certo em fazer premissas conservadoras em relação à rentabilidade sobre os investimentos, pois lhe pressionará menos qto a atingir os resultados numéricos, ao mesmo tempo em q aliviará sua psique sabendo q está no controle das coisas.


    Uma das prioridades pra reformulação de planos consiste no aumento de renda, do fluxo de caixa. Aqui vão algumas dicas:


    - Dê aulas em matéria de sua especialidade;
    - Faça uma especialização ou pós-graduação, se o aumento de salário estiver vinculado ao aumento de conhecimento formal;
    - Estude para um concurso público que remunere melhor;
    - Invista na construção de uma segunda carreira, paralela à atual.




    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

    ResponderExcluir
  8. Lucas, eu não contribuo atualmente para a previdência social (ainda bem!). Dessa forma, pelos meus cálculos a única possibilidade que talvez valha a pena seria ficar como contribuinte facultativo dos 50 aos 65 anos para então me aposentar por idade. Ainda assim tenho muito o que pensar até lá (se as regras permanecerem as mesmas, o que eu sinceramente duvido...).

    ResponderExcluir
  9. Ola IE42 td bem??

    Obrigado pelo site e pelas ótimas matérias, tenho estudado sobre o assunto a pouco mais de 2 meses, ainda sou bem iniciante, mais achei muito interessante o empréstimo garantido que vc faz, poderia falar brevemente como realiza ele??
    Existe algum intermediador ??
    Fico no aguardo.
    E mais uma vez parabens!!

    ResponderExcluir
  10. Super legal seu raciocínio. Eu estou no mesmo caminho só que me arriscando mais, meu perfil é para um maior risco.
    Vc poderia adiar um pouco sua aposentadoria ou mesmo aposentar somente a metade do tempo se for possível.
    Cara vc tem muito conhecimento, escreva um livro.

    ResponderExcluir
  11. Concordo com o Dito. Sua forma de abordar o tema é muito clara e direta. Didática!

    Seria muito interessante se escrevesse um livro. Melhor ainda se for um pouco mais pra frente quando tiver vivido mais ajustes/acertos no plano. A experiência enriqueceria o livro.

    De qq maneira mais uma vez parabéns! Excelente o blog.

    Abraço
    Capa Preta

    ResponderExcluir
  12. Rafael, sua resposta está aqui: http://viverderenda.blogspot.com/2010/01/perguntas-frequentes-faq.html

    DitoDegas e Anonimo, vocês obviamente não sabem o que falam ou, pior, estão lendo material de qualidade muito muito muito baixa!

    ResponderExcluir
  13. Indepê, eu partilho do mesmo objetivo que você: ficar rico e se aposentar cedo, mas vi que você é propenso a considerar sempre o caminho mais "chato" e, ao contrário do que pensa, o mais chato não é necessariamento o mais seguro e definitavemente não é o mais rentável.

    Eu não tenho esse vício ou "religião", quero ganhar mais e ter se possível uma vida de luxo e não somente confortável. Por isso, estou sempre aberto a relacionamentos que possam me favorecer nesse sentido, seja profissionalmente ou pessoalmente. Em outras palavras, eu sou materialista, mulher pra mim tem que ser rica (melhor se milionária) e se não for possível a ter, tento através das amizades uma boa oportunidade de investimento, como por exemplo entrar de sociedade em um negócio já consolidado (ou não) que me dê um retorno maior que na RV. Mas, só em caso de não haver opção eu parto para a bolsa (porque sinceramente não conheço alguém que tenha ficado rico só por ela). Neste caso tenho preferência em especular operando como position trader (seguindo a tendência de MP e eventualmente lançando alguns derivativos) e como investidor recebedor de dividendos, não coaduno com a idéia de deixar todo meu capital em um fundo indexado a índice e contar meio que no escuro com desvio padrão de bolsa.

    Mas... cada um com seu perfil. Só lhe digo uma coisa, para ficar rico não basta conhecer bem os números e ter displina é preciso sobretudo sorte, aproveitar as oportunidades que a vida nos dá e vez ou outra tentar uma "jogadinha" mais arriscada. No imprevisível a gente não manda e só passa a percebê-lo quando ele dá as caras e pode ter certeza ele sempre dá. Veja a prova neste teu último post. ;)

    Por isso, sempre acrescente essas possíveis variações e possibilidades em seu planejamento.

    Saudações e sucesso. E que venha o PN pra fazer na vida aos 42!

    ResponderExcluir
  14. Desculpe, mas seu comentário foi desagradável. Já parou para pensar que as vezes é vc quem não sabe o que lê?

    ResponderExcluir
  15. Ditodegas, eu presumo fortemente que você não entendeu meu comentário, então vamos lá:

    Falei que vocês não sabem o que falam pois obviamente não acho meu material de alta qualidade e muito menos me sinto capacitado pra escrever um livro. No mesmo raciocínio, e num tom humorístico, falei que vocês estão lendo coisas muito ruins pra chegarem ao ponto de achar meu blog bom rsrs. Entendeu?

    Sem ressentimentos kk! Abração!

    ResponderExcluir
  16. Otávio,

    Muito interessante seu comentário. Se você puder me indicar um caminho mais rentável e com o mesmo risco da minha estratégia estarei mais do que disposto a te ouvir.

    Bom saber que você não tem um pensamento de vida "padrão" e que, pelo visto, saiu de várias "bolhas" que a sociedade nos coloca.

    Só lembre-se que geralmente as mesmas coisas que te deixam muito rico te deixam muito pobre. O risco é real e deve sempre ser ponderado à necessidade de cada um.

    Se quiser bater um papo, você tem meu msn. Abraços e ainda mais sucesso pra você!

    ResponderExcluir
  17. Independência Financeira 42,

    eu entendi o tom do seu comentário hehehe.

    Acredite. O material que você produz é excelente.

    Abraço
    Capa

    ResponderExcluir
  18. Viver de Renda, descobri o seu blog hoje. Enquadro-me em sua meta (viver de renda). Tenho neste momento 37 anos; 20 anos trabalhando e juntando dinheiro. Acompanho o mercado financeiro há 20 anos e renda variável há 10. Posso dizer com certeza, que poderia estar financeiramente independente, se não tivesse vendido minhas posições em ações com um lucro limitado, ou seja: ao contrário do que as corretoras informam, ficar comprando e vendendo não é bom. Concordo com sua avaliação sobre o PIBB11. Já tive até o RCSA11, que foi uma ação que representava uma cesta. Não sei quanto você paga de IR sobre o seu salário, contudo indico um PGBL com 49% de renda variável e rendimento decrescente sobre o limite de 12% da renda bruta. Depois de 15 anos já vale a pena sacar e ainda representa uma ótima proteção em relação ao planejamento sucessório (casamento). Estou de olho nas ações da ELET3 até o dia 29/01/2010, em função do pagamento de dividendos (R$ 11,36) sobre uma ação que vale R$ 42,00. Acho que temos uma opção interessante de renda fixa e renda variável numa ação que promete um bom retorno a longo prazo. Assim como BB e PETROBRAS (estatais que apresentaram uma valorização significativa em 10 anos), ELETROBRAS pode ganhar bastante com uma nova gestão profissional. Obrigado.

    ResponderExcluir
  19. Flavio, quanto você paga de taxa de administração com esse PGBL? Além disso, 49% é pouco para alguém na minha idade. Por fim, não abato IR na fonte.

    Quanto à Elet3, tenho minhas dúvidas quanto à capacidade de crescimento dela a longo prazo. Mas os dividendos são tentadores sim rsrs...

    ResponderExcluir
  20. Viver de renda eu pago tx.de adm. de 1,5% por ano, sem taxa de carregamento. É uma das menores, porque sou funcionário de uma instituição financeira. A taxa ainda é alta, contudo, minhas contribuições no PGBL no percentual de até 12% da renda bruta, evitam-me de pagar cerca de R$ 2.500,00 por ano. Como não mexo nesse investimento (o imposto no início é altíssimo), o montante acumulado em 8 anos de contribuição é interessante. Se pudéssemos aplicar em um PGBL que adquirisse ETF seria bom, contudo a SUSEP não permite. Gosto de adquirir títulos de longo prazo do Tesouro Direto indexados à inflação. Há quatro anos atrás adquiri NTN-C(IGP-M), TIR de 9,00% a.a., que renderam-me 90% no período. Nove porcento de rendimento real é muito. Gosto de diversificar, mas concordo com Buffet quando diz que não podemos acompanhar tudo. Caso optasse por ser Banqueiro há dez anos atrás(adquirindo todo mês um pouco de ações de um grande banco privado), poderia estar milionário, caso tivesse comprado BRADESCO,ITAU ou UNIBANCO, ou falido com NACIONAL ou BAMERINDUS (grades bancos privados da época).

    ResponderExcluir
  21. IF42,

    Mto bom o blog, conteúdos realmente acima da média, pra leitores acima da média, como vc diz :) parabéns pela iniciativa.

    Tb tenho minha projeçao de aposentadoria (minha meta é R$ 3MM como a sua, até os 40 anos...), nas quais uso os 4% de retorno médio anual líquido durante todo o período - um número meio q universalmente aceito de retorno no longo prazo, q pelo q vi vc jah dicutiu aqui. Lendo o blog, ficou a dúvida: por que considera retornos diferentes antes e após aposentadoria (8% vs 4%) para as projecoes?

    Eu sei q o potencial de valorizacao da bolsa brasileira justificaria essa expectativa maior, mas queria entender seu racional, se foi esse msm...

    abraços

    ResponderExcluir
  22. Kerplunk,

    Obrigado pelos elogios!

    Entenda que os 4% não são o retorno líquido, mas sim a taxa de retirada anual. O retorno líquido estimado no período de acumulação é de 8% e irrelevante no período de retirada. O modus operandi do portfolio é completamente diferente antes de me aposentar e depois. Daí eu ter utilizado fatores diferentes em diferentes períodos... não são coisas iguais e baseados em fundamentos distintos. Dê uma lida nos meus tópicos sobre TSR para entender melhor.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Olá VR:

    Excelente blog, tenho aprendido e refletido bastante... também estou aí na batalha, mas tenho sido muito mais eficiente em poupar do que em investir.

    Andei tendo problemas em enviar comentários, eles nunca vão, então espero que este seja enviado...

    Gostaria de fazer algumas perguntas...

    Vc disse que DCA é melhor que LS: mas ao investir todos os meses sem se preocupar com o preço corrente, você acaba fazendo também um preço médio, exatamente como no DCA. E o ganho - ou perda - sempre será em relação à diferença entre o preço médio e o preço corrente, não é? Logo, se fizermos um LS numa hora em que o preço corrente está maior que o preço médio, a gente vai estar forçando ele para cima, diminuindo o ganho. Embora eu concorde que DCA não diminui o risco, concluo que o LS só valeria a pena se fosse feito com preços correntes iguais ou inferiores ao preço médio do seu portfolio, para não forçar a diminuição do ganho... estou certo?

    Quanto à tributação do PIBB e ã possibilidade de se montar um carteira que replique o ETF, entendo que sua estratégia é comprar e guardar por um longo tempo. Também entendo que o IR só será pago na hora da venda dos ativos, quando o ganho de capital for apurado. Como na sua estratégia a venda só ocorrerá daqui há uns bons 15-16 anos, alguém sabe qual será a legislação tributária vigente lá? Daqui a pouco o governo resolve diminuir a isenção para 20k, e vai tudo pro brejo...

    Então, já pensou em atuar offshore? Talvez os custos sejam altos, mas as vantagens fiscais podem ser compensadoras... se vc conseguir se tornar um não-residente...

    Obrigado pelo Blog!
    João

    ResponderExcluir
  24. Joao, eu falei justamente o contrário, lump sum é melhor que DCA. Como sua argumentacao indica o contrario, vou presumir q vc se atrapalhou no inicio.

    Essa sua confusao é muito comum. DCA so se aplica caso voce tenha um capital disponivel parado, e tem a opcao ou de investir parceladamente ou de vez. Caso voce todo mes ganhe 4k, e a cada mes vc invista de vez esses 4k isso é lump sum investing e nao dollar cost averaging. A preferencia do LS deve-se à expectativa positiva de qualquer investimento. Só imaginar investir parceladamente em renda-fixa, algo absurdo. Seu preco-medio é irrelevante para a estrategia.

    Concordo que tudo pode mudar no futuro, mas ate la temos que adotar as estrategias mais eficientes com base no comportamento passado, dai minha ideia de ir para acoes individuais e deixar o PIBB.

    Cara, eu dei uma olhada mas a principio estou satisfeito com a isencao dos 20k. Caso isso mude eu olho a fundo a possibilidade de atuar offshore, criar uma igreja, etc. kkk.

    ResponderExcluir
  25. Li seus tópicos sobre a TSR, mas não entendi porque vc decidiu usar os 4%, que foi o valor determinado pelo estudo norte-americano, onde, como vc mesmo escreveu, a rentabilidade de investimentos conservadores é bem menor que no Brasil. No Brasil, não se pode contar na pior das hipósteses com o rendimento da caderneta de poupança de 0,5% + TR? Você não acha seguro planejar uma retirada de no mínimo 0,5% a.m.?

    Outra dúvida: porque vc fez seu planejamento contabilizando uma projeção de inflação? Não seria mais prático e preciso planejar usando apenas a rentabilidade líquida (8%), calcular tudo pelos valores atuais e ao longo do tempo ir corrigindo os valores de acordo com a inflação real? Até porque, de qualquer forma vc terá que corrigir o seu planejamento de acordo com a inflação real, já que ela com certeza estará sempre variando de forma significativa em relação à sua projeção.

    []s

    ResponderExcluir
  26. VR, achei legal sua iniciativa de mostrar pelo blog sua trajetória.

    Uma sugestão para seu plano seria fazer tudo a VPL (valor presente líquido), pois você pode esquecer dessa história de inflação nas projeç~eos, e ir atualizando o montante total final pela inflação real.

    Outra sugesão, que é mais uma notícia, é considerar que há boa possibilidade do IGF (Imposto sobre Grandes Fortunas) ser instituído no Brasil, o que deve afetar seu plano se for aprovado, pois será para valores acima de R$2mi.

    Leia mais no:
    http://g1.globo.com/politica/noticia/2010/06/comissao-aprova-regulamentacao-de-imposto-sobre-grandes-fortunas.html


    Abs e bom trabalho!

    CBM

    ResponderExcluir
  27. Amigo, será que você não está superestimando a inflação? Será que a sua inflação será tudo isso mesmo? A rentabilidade esperada da bolsa que você citou (12%) é a sua rentabilidade? Eu mesmo se for investir na bolsa com o pouco conhecimento que tenho nunca atingirei esse valor, porém, um investidor mais preparado pode alcançar bem mais que isso, concorda?

    Quanto a não ser otimista eu concordo plenamente, sou realista com um pé no pessimismo e isso só me trouxe alegrias até hoje.

    ResponderExcluir
  28. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  29. Respostas
    1. Apenas trabalhando e acumulando por esses tempos...

      Abs.,

      VR.

      Excluir
  30. VR onde andas? nos brinde com mais conhecimentos!!!!!

    ResponderExcluir