domingo, 30 de junho de 2019

Ataulização Mensal: Junho 2019: R$8.839.399,65

Esse mês será uma atualização rápida: mais uma vez vemos uma valorização bem expressiva do Bitcoin que contribiu pra um aumento de R$900.000,00 no mês. A extrema valorização que estamos vendo na renda fixa aqui no Brasil é sinal que provavelmente teremos tempos bem mais árduos daqui pra frente, principalmente pra quem está começando agora. Achei que iria demorar um bom tempo até achar NTN-B a 3.1%. Segue o gráfico:


Estou esperando uma valorização um pouco maior do BTC para começar as vendas. No mais, a vida está boa e tranquila. 

sábado, 1 de junho de 2019

Atualização Mensal: Maio 2019: R$7.922.126,64

Que mês, meus amigos! O Bitcoin resolveu finalmente corrigir sua trajetória em direção à Lua e aumentar seu preço em mais de 50% num único mês! Como resultado alcancei um novo topo histórico beirando os 8 milhões de reais! Ajudou também a alta bem significativa das NTNBs, cuja taxa líquida infelizmente já está abaixo dos 3,5% a.a. Segue a tabela de sempre:




Inacreditável que aumentei meu patrimônio em mais de R$1.000.000,00 num único mês, aportando cerca de R$9.000,00 no período. O dólar também deu uma queda que, se por um lado diminui meus investimentos internacionais, por outro lado potencializa meus aportes e torna minha riqueza verdadeira maior. Como todo portfólio diversificado, quase sempre ganha-se de um lado, perde-se de outro e mantem-se um resultado positivo com menos volatilidade.

Tive vários gastos pessoais esse mês, de modo que meu fundo de gastos caiu de R$12.000,00 pra meros R$6.000,00.



Onde o VR gasta? Em que lugares anda? Será que a acumulação crônica afinal tem cura? Veja... na próxima atualização!


Finalmente anos depois posso dizer que meu apartamento hoje está 100% finalizado. Terei apenas os gastos de manutenção. Agora é relaxar e curtir o barraco fazendo o churras na laje ao som de Raça Negra.

Esse mês estudei bastante sobre finanças e estou convencido que uma TSR de 3-3,5% é altamente segura mesmo pra portfólios com duração de 60 anos ou mais, como espero ser meu caso. Isso dá uma tranquilidade bem grande pra manter ou até aumentar meu patamar de gastos se assim quiser. A independência financeira já foi conquistada há algum tempo, resta agora a aposentadoria de fato. 


Como eu me sinto sem nem saber no que gastar esse mês


Resolvi também depois de muitos anos adicionar ao blogroll novos blogs com os quais me identifiquei. São eles: Srif365, O Idiota (esse merecia estar aqui há tempos), Executivo Investidor e Seu Madruga Investimentos. Sejam bem-vindos!


quinta-feira, 2 de maio de 2019

Atualização Mensal: Abril 2019: R$6.860.006,29

Mais um mês de atualização sem grandes novidades: TD, Bitcoin e dólar subiram um pouco, o que fez meu portfólio crescer cerca de R$140.000,00, com um aporte de R$15.000,00. Parte desse dinheiro é mera correção da inflação, que veio forte em 0,75%, portanto não há muito o que se alegrar nessa valorização. Segue a tabela:





Esse mês foi bem interessante pra mim em termos de finanças pessoais. Abri a mão com o intuito de gastar os R$10.000,00 alocados no mês. Além dos gastos normais, gastei um pouco na decoração da casa, troquei de celular (o meu quebrou a tela e o conserto era 50% do valor, foi demovido a backup), comprei cafeteira (Nepresso), headphone (Bose), tênis (baratinho, menos de R$100,00 na netshoes), caixas de som pro PC, comi bem (barca de comida japonesa, camarões, etc.), fiz manutenção no carro e como resultado meu fundo de gastos que estava em R$15.000,00 baixou pra R$12.000,00. Como sinal dessa mudança de perspectiva acho que pela primeira vez na vida minha taxa de poupança em maio vai ficar abaixo de 50%, vou investir cerca de R$9.000,00 e R$10.000,00 já estão na conta para gastar. A ideia é cada vez investir menos e gastar mais.

Eu só por curiosidade dei uma olhada no mercado de veículos e fiquei pasmo com o valor de veículos novos. R$100.000,00 por um Corolla Xei, R$110.000,00 num Civic, R$90.000,00 num Cruze básico. Fui fazer uma conta básica e o valor que paguei no meu veículo levemente usado em 2013 atualizado pelo IPCA até hoje dá mais de R$90.000,00, ou seja se quiser manter o mesmo padrão eu não preciso guardar apenas a depreciação do meu carro mas também a inflação dos novos, o que daria cerca de R$700,00 por mês APENAS com desvalorização. Contando IPVA, seguro, gasolina, manutenção, lavagens, custo de oportunidade, multas, estacionamento, o custo mensal ultrapassa fácil os R$2.000,00 por mês, isso pra um veículo com quase 7 anos de idade. A única forma que vejo de não entrar nessa ciranda de gastos é ao invés de comprar um veículo novo partir pra usados com 2-3 anos de uso. Pra vocês terem idéia eu invisto R$300,00 por mês exclusivamente para cobrir a desvalorização, e dos +-R$21.000,00 aplicados (que com rendimentos hoje vale R$27.000,00), mais R$45.000,00 vendendo BEM o meu veículo ainda precisaria de R$18.000,00 pra fazer um leve downgrade e pegar um Cruze básico 0km! Fico imaginando o brasileiro burro de classe média que troca de carro a cada 2 anos deixando o dele na concessionária, não me surpreenderia que se joga no lixo R$40.000,00 a cada novo ciclo, o que por si só já é o suficiente pra aposentar o sujeito depois de 2 décadas! É muito dinheiro pra pouco retorno! Diante disso tudo, ficarei por mais uns bons anos com o meu!

Agora em abril o blog fez 10 anos de idade. Cheguei a fazer um post comemorativo mas ficou uma bela bosta e resolvi não publicá-lo. Essa marca por si só não deixa de ser uma prova da minha resiliência e disciplina, atributos necessários pra quem quer ser independente financeiramente. Hoje me considero um cara bem diferente de quando comecei o blog: mais cínico, muito mais burro, menos motivado, mais experiente, mais feliz, mais tranquilo e mais certo do que quero pra vida. Que venham os próximos 10 anos!

Em maio a meta permanece a mesma: gastar mais e se preocupar menos!

quarta-feira, 3 de abril de 2019

Atualização Mensal: Março 2019: R$6.717.677,19

Março foi mais um mês de crescimento acelerado do portfólio. Tudo subiu: CDBs, ações estrangeiras, NTNB e principalmente Bitcoin, que após 13 meses de queda ininterrupta voltou a subir. Com isso, meu portfólio aumentou aproximadamente R$500.000,00 em um mês, apesar de ter feito um aporte de "meros" R$15.000,00. Segue a tabela de sempre:



Venceram dois CDBs esse mês que foram integralmente investidos no exterior. O próximo CDB só vence em 2020. O aporte do mês também seguiu o mesmo destino, e como resultado já estou com mais de U$200k na corretora entre diversos ETFs (EIMI, IWQU, IWMO, IWVL, MVOL, LQDA). Pra galera realmente curiosa, segue meu portfólio hoje na corretora (lembrando que não está inclusivo o CDB no BBA e os dólares que possuo na corretora de BTC):



A viagem que fiz em março foi ótima, gastei cerca de R$7.000,00 e comi, bebi, andei e me diverti bastante. Dito isso não planejo mais fazer nenhuma viagem esse ano.

Como já tinha comentado anteriormente, todo mês estou transferindo R$10.000,00 da minha receita para a minha conta antes de investir. Esse valor eu não estou me permitindo investir, de certa forma parecido com o "fundo tio patinhas" do Sr. IF365. É um exercício mental interessante, um estímulo para eu sair da mentalidade de acumulador crônico e me permitir gastar 1,8% a.a do meu patrimônio sendo que eu ainda trabalho portanto o gasto efetivo é 0. Acho esse exercício importante para mitigar o cenário de eu morrer deixando muito dinheiro na mesa. É sem dúvida um valor conservador e bastante tranquilo diante de quanto eu tenho, até porque só os juros do TD hoje me pagam isso. Dito isso, o fundo está hoje em R$15.000,00 e ainda estou procurando no que gastar, mas é um valor que em hipótese nenhuma investirei.

No geral estou cada dia mais satisfeito com meu portfólio. Estou com ampla diversificação e num patamar extremamente confortável. Bateu a vontade de investir parte dos títulos privados em FIIs para efeitos puramente de diversificação, mas hoje não tenho mais cabeça pra montar carteira e ficar acompanhando subscrição, amortização, vacância, etc. Se tivesse um ETF barato que replicasse o IFIX e distribuísse os proventos mensais eu comprava na hora, não sei se existe algum empecilho regulatório que ainda não criou esse produtos. As alternativas (BCFF11 e FIXX11) são péssimas para o investidor. 

No mais, estou animado pra abril, espero que se configure um mercado bull no bitcoin e que o dólar caia pra que meu aporte valha mais!

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Atualização Mensal: Fevereiro 2019: R$ 6.238.733,75

Dois meses se passaram voando e, como resultado, aumentei meu patrimônio em R$180.000,00. Como vocês podem ver na tabela estou aportando pesadamente no exterior. Sobras do salário? Mando pro exterior. Venceu CDB do banco Máxima? Exterior. Troco do café? EXTERIOR. 

Devo ressaltar a enorme bosta que virou a remessa BB -> BBA. Acho que estavam cansados de ganhar dinheiro com as remessas e simplesmente inventaram uma taxa de 2% do bumbum deles e falaram "te fode aí lol". Resultado é que mais do que nunca o REMESSA ONLINE hoje é o meio mais rápido e BARATO de mandar dólares ou euros pro exterior. Não esqueçam de usar o cupom "viverderenda" pra baixar o spread deles de 1,3% pra 0,91% e com isso ganho uma comissão de 0,1% pra poder comprar uma torta junto com o café. Aqui um exemplo de remessa que fiz no final desse mês:



Tinha até esquecido que o IOF ainda fica em 0,38% mandando direto pra Interactive Brokers. Dá até raiva lembrar como fui mongolão usando BB.

Enfim, remessas a parte, segue a tabela:




A cada dia que passa eu suspeito mais que nunca gastarei essa grana no exterior. Estou com dificuldade enorme de gastar R$10k por mês que é o que ganho hoje com o TD. "Nossa, que problemão hein VR, por que você não vai se fuder?". Concordo plenamente com você leitor hipotético, mas é incrível como eu sou um ACUMULADOR CRÔNICO que não vejo sentido em trocar de carro/celular/casa sendo que os que possuo hoje me atendem perfeitamente bem. Mazelas de quem não paga prestação de carro, prestação de imóvel, escola de prole ou pensão para aproveitadoras em geral.  Ainda assim, o objetivo permanece e até resolvi viajar pro exterior mês que vem (pagando mais caro em um vôo direto, ficando em hotéis decentes e com passeios poderosos).

Em termos mais gerais, continuo pessimista com relação ao Brasil. Meu cenário base é passar uma reforma chinfrim que não vai resolver a matemática da dívida com efeitos ruins pro câmbio e pra estabilidade do país. Espero estar errado e ter minha NTN-B segura até 2050. Veremos. Até lá, vamos curtir o feriado do carnaval e viver com ou sem renda, afinal memento mori... lembremos do que aconteceu com o Viver de Construção!

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Atualização Mensal: Dezembro 2018: R$6.059.283,24

Mais um ano que chega ao seu fim. De minha parte, sem reclamações. Bitcoin caiu bastante, por outro lado já tenho + de 10% do meu portfólio dolarizado e imune ao risco Brasil e dei uma melhorada em minha saúde. Trabalho está OK e tudo muito bem no meu relacionamento. Segue a tabela de sempre:



Em fevereiro terei vencimento de alguns CDBs que irão integralmente para o exterior. Estou pensando em fazer um experimento em fevereiro: quando receber os juros do TD colocar tudo na minha conta corrente e tentar viver por 6 meses exclusivamente do cupom. 100% do salário irá pro exterior. Passados os 6 meses poderei dizer na prática que vivi de renda, e terei experimentado financeiramente o que será minha rotina quando aposentar!

Metas pra 2019:


  • Fazer 2 viagens, uma internacional e outra nacional
  • Emagrecer um pouco, tenho exagerado nas guloseimas (já perdi 3kg)
  • Finalizar a decoração do apartamento (falta pouco)
  • Gastar mais
Como podem ver, 2019 tem tudo para ser um ano bem light pra mim, com saúde, relacionamento estável, dinheiro sobrando e tempo livre pra fazer o que quiser!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Atualização Mensal: Novembro 2018: R$5.881.699,96

Pessoal, essa será uma atualização rápida. Meu bumbum ainda está ardido com a nabada que recebi do Bitcoin. Fora isso, leve queda do TD (who cares) e alta dos Investimentos Internacionais pela alta do dólar e aporte lá fora. No geral, uma queda de R$450.000,00 em um mês. Segue a planilha:






A estratégia permanece a mesma: continuar aportando lá fora, não vender o Bitcoin a esse preço e tentar aproveitar a vida cada vez mais. Minha decisão de investir no exterior está bem óbvia pra mim, até porque imagino que Bolsonaro terá dificuldade absurda de passar uma reforma da previdência que equilibre as contas públicas, e quem parou pra analisar o orçamento sabe que sem uma reforma profunda da previdência não haverá equilíbrio fiscal e sem equilíbrio fiscal a população irá sofrer com mais impostos (já estamos no limite com o governo se apropriando de quase 40% do que é produzido no país) e/ou inflação e/ou calote. Tenho a impressão que talvez tenhamos saudades de 2015 e 2016. Espero estar errado!

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

GUIA INSTANTÂNEO DE INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA.

Passeando pelo meu e-mail, descobri que tinha escrito esse guia há nada menos que 4 anos atrás. Como tenho algumas dúzias de textos escritos pela metade e guardados, estou fazendo um esforço de completá-los e divulgá-los, pois por algum motivo sobrenatural alguns de vocês gostam do que eu escrevo. O 1o texto está logo abaixo, segue:

-----


Em um belo dia eu fiquei pensando: será que é possível ensinar ao brasileiro, um povo burro (e mais estúpido ainda em questão de finanças) a obter a independência financeira em um texto hiper-conciso, a ser assimilado de forma fácil e rápida? 


O resultado dessa minha dúvida está aí: O Guia Instantâneo de Independência Financeira Viver de Renda. Trata-se de um texto bem compacto, mas com informações suficientes pra tornar qualquer pessoa independente financeiramente de forma rápida, prática, barata (R$0,00) e sem enrolação.

Vale ressaltar que nenhuma da sabedoria contida no texto é minha: são todas idéias de pessoas mais inteligentes e cultas que eu, como Bogle, Ferri, Swedroe, Graham, Bernstein, etc.

Pensando em facilitar ao máximo a divulgação do texto com objetivo exclusivo de minimizar a ignorância financeira no Brasil, criei uma versão em PDF que pode ser baixada AQUI.

Sem mais delongas, segue o texto:

------

Esse texto é um guia. Como todo guia, possui natureza prática, de forma que aqui você não encontrará discussões filosóficas ou encheção de linguiça. Ao final do texto você será mais eficiente em investimentos e como adquirir a independência financeira do que 99% da população brasileira (o que não é muito, frise-se). Para tanto, basta você seguir FIELMENTE os 15 passos que este guia contém. Você pode ser questionado, talvez até ridicularizado, mas a única certeza é que, seguindo os passos desse guia, você se tornará RICO e, mais importante, INDEPENDENTE FINANCEIRAMENTE.


Passo 1: GASTE MENOS DO QUE VOCÊ GANHA. Para você ser independente financeiramente, você precisa de duas coisas: dinheiro e tempo. Quanto mais tempo e quanto mais dinheiro, melhor. Portanto, você deve se conscientizar do principal: QUANTO MAIS VOCÊ ECONOMIZAR, MAIS RÁPIDO VOCÊ SE TORNARÁ INDEPENDENTE.

Passo 2: COMECE O MAIS CEDO POSSÍVEL. A relação entre tempo e riqueza é exponencial. A uma taxa de 12% ao ano, começar 4 anos mais cedo significa que você será 50% mais rico ao final. Portanto, comece a investir ONTEM.

Passo 3: ENTENDA COMO FUNCIONAM OS JUROS COMPOSTOS: Os juros compostos são os mecanismos básicos de criação de riqueza, e você, antes de investir, tem de entender por que ao final de uma vida 85-90% de um portfólio é juro composto e 10-15% é suor (economias). Como falei acima, se dinheiro e tempo são as duas variáveis básicas da independência financeira, o juro composto é o modo como um se relaciona com o outro.

Passo 4: FAÇA UM COLCHÃO DE SEGURANÇA COM 3-6 MESES DOS SEUS GASTOS LÍQUIDOS. Merdas acontecem, quase sempre sem aviso. Com um colchão de segurança você estará mais preparado e principalmente mais tranquilo para enfrentar as caneladas que a vida te dará.

Passo 5: AUMENTE A SUA RENDA. Uma pessoa pode tranquilamente se aposentar com 1 milhão de reais aportando R$100,00 por mês. Basta investir por 65 anos a uma taxa de retorno real de 0.5% a.m. Se o aporte passar a R$1000,00, são 30 anos e, com R$5.000,00, chega-se lá em 11 anos e meio. Portanto, quanto mais se ganha mais fácil será aportar valores maiores e mais rapidamente você será rico.

Passo 6: NÃO EXTRAPOLE AO COMPRAR CASA E CARRO. Todo mundo quer ter uma BMW (Bring My Wallet) e morar numa mansão. Esses dois bens, junto com o divórcio (sem separação de bens), são as armas de destruição em massa da sua independência financeira. Compre ambos de forma que você ainda consiga aportar de forma confortável, caso contrário a caminhada ao topo será muito mais árdua e, pior, auto-infligida.  

Passo 7: INVISTA SUA IDADE EM RENDA FIXA, 10% EM IMÓVEIS E O RESTO EM AÇÕES. Esse portfólio, apesar de genérico, é extremamente poderoso, pelos seguintes motivos:
1- Você está investido em 3 classes diferentes de ativos, garantindo maior diversificação
2- A medida que você envelhecer e seu portfólio crescer a volatilidade dele irá diminuir
3- Ótima relação risco/retorno, com ações sendo o carro chefe do crescimento

Passo 8: NÃO INVISTA EM AÇÕES INDIVIDUAIS OU FUNDOS DE BANCO. USE APENAS ETFs. Ações individuais são complicadas de se gerir de forma adequada, e abrem ao investidor uma quantidade gigantesca de abominações que são péssimas para ele: análise técnica, contínuas corretagens, sub-diversificação (possuir menos de 20 ações não faz qualquer sentido pra 99,99% dos portfolios), day-trades, lançamento de opções, etc. Já os fundos de bancos são caríssimos e dignos de piada. Ao invés disso, invista em um fundo de índice como PIBB ou BOVA que são baratos e extremamente eficazes em crescer o seu portfolio.

Passo 9: INVISTA NO TESOURO DIRETO OU EM CDBs DE BANCOS MÉDIOS. Na parte de renda fixa, esqueça poupança ou fundos de renda fixa. Use o tesouro direto, que além de possibilitar um maior retorno é muito mais barato que 99% dos fundos de renda fixa por aí. Quanto aos títulos em si, você pode dividir 33% Pré-fixados (LTN ou NTNF), 33% Pré+Pós (NTNB) e 33% Pós (LFT). Se quiser um pouco mais retorno em troca de um pouco mais de trabalho e uma pitada a mais de risco, adquira CDBs de bancos médios tipo Inter, Sofisa, etc., que te pagarão 1-2% a.a. a mais que o tesouro.

Passo 10: INVISTA EM FIIs. Investimento em imóveis de forma direta significa falta de diversificação e tributação ineficiente. Prefira FIIs, que são seguros, com tributação eficiente e com ótima relação risco/retorno.

Passo 11: CUSTOS IMPORTAM. MUITO. Corretagem, impostos e taxas de administração são as formas que as corretoras, o governo e os bancos criaram de separar seu suadíssimo dinheiro de você. Portanto, um custo aparentemente pequeno composto ao longo dos anos (passo 3 se aplica aqui) tem um efeito devastador na sua riqueza. Para se ter uma idéia, uma taxa de administração de 1,5% ao ano significa que você será aproximadamente 34% mais pobre ao final de 30 anos.

Passo 12: NÃO INVISTA EM PREVIDÊNCIA PRIVADA. Enquanto os fundos de previdência privada não custarem menos que 0,5% ao ano os mesmos te deixarão menos rico que o portfólio do passo 4. Os 12% de diferimento fiscal do PGBL não são suficientes para tornar a previdência privada atrativa.

Passo 13: REBALANCEIE NÃO MAIS QUE ANUALMENTE. Rebalancear significa manter a proporção dos investimentos descrita no passo 7. São dois os motivos desse passo:
1- É um método automático de se vender na alta e comprar na baixa
2- Manter a volatilidade e retorno em níveis aceitáveis.

Passo 14: CRISES VIRÃO. MANTENHA O CURSO. Uma vida é um tempo suficientemente longo para se presenciar várias crises, tanto nacionais quanto mundiais. No século XX os EUA passaram por duas guerras mundiais, diversas catástrofes naturais, uma crise inflacionária e uma recessão colossal. Ainda assim, a bolsa americana cresceu durante o período em média 10% ao ano. Portanto, siga a disciplina e continue investindo mesmo que haja sangue nas ruas.

Passo 15: AO OBTER A INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA, NÃO GASTE MAIS QUE 4% DO SEU PORTFÓLIO INICIAL AO ANO. Pode parecer pouco, mas caso você gaste mais do que 4% ao ano, corrigido pela inflação, existe um risco substancial de você terminar falido em até 30 anos. O valor não pode ser maior por conta da inflação e dos inevitáveis mercados de baixa.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Mensagem de Agradecimento

Pessoal, queria agradecer a vocês pelo excelente feedback que tive nos comentários! Não esperava nem de longe ter uma resposta tão positiva, então resolvi responder os comentários em um novo post para ter maior visibilidade e poder discorrer um pouco mais.

Conforme já dito nos comentários, estou utilizando a corretora Interactive Brokers. Pago 5 dólares por compra e até pouco tempo atrás pagava $10,00 de tarifa de manutenção, que é convertida em "consumação" com as corretagens, então equivale a pagar $10,00 por mês e ter duas corretagens de graça. Como passei dos $100k eu não pago mais essa tarifa. Não tenho nada a reclamar da corretora, cheguei a usar o helpdesk deles e fui atendido muito bem online.

Sinceramente eu nunca pensei nessa parte de aceitar doações via bitcoin, vou colocar um endereço e tentar utilizar todo o valor doado no blog, seja através de postagens minhas sobre algum tema que vocês ou o doador sugira, host e endereço profissionais, etc.

Sobre o meu trabalho que alguns perguntaram, não é algo tão simples pois envolvem e afetam mais pessoas do que apenas a mim, fica difícil detalhar mais do que isso sem me expor. É definitivamente um problema de "algemas douradas", mas está nos meus planos ir reduzindo o ritmo até parar no curto-médio prazo. Não estou aguardando chegar a nenhum valor X, o valor que eu possuo hoje é mais do que suficiente para eu me aposentar.

Sobre aportes aqui no Brasil, no geral Max respondeu muito bem, e é exatamente aquilo que toda a informação que temos hoje sobre o futuro já está precificada. A expectativa positiva com a vitória do Bolsonaro já foi precificada, inclusive a chance das reformas não darem certo. Como os mercados são bastante eficientes as pessoas já compram e vendem refletindo as expectativas presentes e futuras. Mas a maior razão de eu não aportar mais basicamente nada no Brasil é por conta da baixa utilidade marginal que o dinheiro possui pra mim hoje. Apenas os juros do TD já conseguem me manter, e com alguma folga ainda. Como eu falei no último post está sobrando dinheiro todo mês e sinceramente não tenho mais onde gastar, minha vida hoje tem 0 de restrição por fatores financeiros, então todo dinheiro que eu receba vai ser investido para que eu não nunca perca essa fonte mínima de renda, no caso o único cenário factível disso acontecer seria com a venezuelização do Brasil seguido de um calote na dívida interna e/ou hiperinflação.

Sobre alocação tática, acredito sim na estratégia, tanto que fiz isso com minha alocação em mercados emergentes no exterior, devido ao CAPE menor. Sinceramente é mais algo pra me satisfazer psicologicamente do que realmente ter uma diferença significativa nos retornos. Tudo isso, claro, são meras expectativas, pois investimento em renda variável não é muito diferente de se fazer apostas a seu favor, mas sem nenhuma garantia de resultado.

Sobre investimento conservador no exterior, não dá pra ir além da renda fixa, e prepare-se pra ter retornos extremamente baixos se você busca liquidez. O money market do BBA oferece irrisórios 0,7%a.a. e ETFs curtos de renda fixa não renderão muito além disso.

Sobre os ETFs que eu investi lá fora, eu já escrevi sobre isso no meu post sobre Estratégias para Investimentos Internacionais, a única diferença é que ao invés de usar o IFSW eu utilizei 4 ETFs individuais por conta principalmente da liquidez quase nula do IFSW e em menor grau pela tx. de adm. um pouco menor (0,3% vs 0,5%). Eu estava decidido a investir em EMMV, mas na hora H resolvi ir no "padrão" do EIMI mesmo pela liquidez maior.

Quanto ao texto do Lobo Branco, discordo totalmente. Não existe exploração em comércio, todo comércio por definição é voluntário e ambas as partes saem melhores do que antes da transação. Guerras comerciais via de regra prejudicam ambos os países como é o caso atual dos EUA-China. Por outro lado acho que existem diversos outros fatores que afetam o desenvolvimento de uma nação, sendo a liberdade econômica o principal deles, mas sendo um fenômeno complexo sofre influência de diversas variáveis, inclusive QI, raça, etc.

Quem quiser se comunicar diretamente comigo meu e-mail é aposentado42@gmail.com 

É isso pessoal, mais uma vez muito obrigado pelas boas vindas, foi algo que realmente me tocou, não esperava isso tudo!

sábado, 3 de novembro de 2018

Atualização Mensal: Outubro 2018: R$6.343.671,92

Após muitos e muitos meses de desleixo, preguiça e letargia, finalmente obtive motivação suficiente pra fazer mais uma atualização mensal com a chegada da nova era (tá mais pra anual, mas ok).

Nesses 10 meses em termos pessoais pouca coisa mudou: continuei trabalhando num nível de stress moderado a alto, fiz 3 viagens (todas aqui no Brasil mesmo, sempre no Sul-Sudeste, sendo uma exclusivamente a lazer), ajeitei 95% do apartamento e, no geral, posso dizer que foram bons meses. Estou melhor de saúde e posso dizer que modifiquei um pouco a forma que lido com dinheiro. Hoje eu não faço mais orçamentos mensais, nem tenho mais metas rígidas de investimentos e principalmente parei de me estressar com o preço das coisas.

Apesar de todo esse relaxamento, continuo investindo bastante. Posso dizer que hoje eu possuo pouquíssimas aspirações materiais. Seja moradia, veículo, roupas, eletrônicos, hoje não tenho a menor pretensão de fazer nenhum "upgrade" no curto e médio prazo. O resultado disso é que o dinheiro continua sobrando e continuo a fazer aportes de R$10.000,00-R$20.000,00 mensais, fora o rendimento dos investimentos. Como já falei aqui mais de uma vez, estou num ponto que a rentabilidade do meu portfólio hoje tem uma importância MUITO maior que qualquer aporte que eu faça. Um aporte de R$15.000,00 representa meros 0,23% no meu portfólio.

Falando em portfólio, nesses 10 meses caí de R$7.400.000,00 pra ~R$6.350.000,00, largamente pela queda substancial no preço do bitcoin que, apesar das inúmeras pequenas vendas que fiz (não tenho anotado, mas imagino que vendi cerca de 4-6 bitcoins nesses meses) ainda estou com cerca de 4 bitcoins a mais que 10 meses atrás, tudo por conta dos inúmeros forks que o bitcoin sofreu e a depender da época eu transformava em dólar ou convertia em bitcoin.

Apesar dessa queda, meu portfólio está num patamar extremamente confortável. Nesses 10 meses minhas NTN-Bs aumentaram R$130.000,00, fora os 2 pagamentos de cupons. Estou com R$180.000,00 a mais de CDBs (comprei uma parte em pré a 15% a.a., resto foi valorização) e aumentei em R$340.000,00 os investimentos que fiz no exterior. Com esses aportes e pela queda do bitcoin, consegui reduzir o percentual em bitcoin de 45% pra 25%. Segue o portfólio atualizado (valor da NTNB está desatualizado mas o valor de R$2.747.000,00 reflete o preço atual):




Os investimentos internacionais estão divididos da seguinte forma, valores em dólares:

$56.6k em uma corretora de bitcoin, irei transferir esse valor pros EUA.
$10k no BBA rendendo 1.8% ao ano para evitar a cobrança de tarifa de manutenção mensal.
$19k IWQU
$22k IWMO
$22.6k IWVL
$19k MVOL
$21.5k EIMI

Todos esses ETFs, tirando o EIMI, investem em um único fator de risco (respectivamente: qualidade, momentum, valor, volatilidade). Como tem sido o retorno esse ano desses fundos quando comparados com seus similares?

IWQU 5.81%
IWMO 13.97%
IWVL -0,56%
MVOL 5.05%

O IWDA, que é um fundo neutro, teve retorno de 5.03%. Na média, uma overperformance de 1% até então. 
Já o EIMI teve um retorno negativo de -8.12% enquanto que o EMMV (volatilidade mínima) teve retorno negativo de -1.21%. É bom deixar bem claro que os fatores de risco em si possuem bastante volatilidade, necessitando de muitos anos para alcançar uma probabilidade maior de overperformance.

Minha idéia é continuar aportando nesses ETFs fazendo a alocação de ativos previamente acordada: 60% entre IWQU, IWMO, IWVL, MVOL, 20% em EIMI e 20% em renda fixa LQDA. Ainda não investi no LQDA pois estou com os dólares na corretora de bitcoin fazendo seu papel de renda fixa, que como já falei irei transferir para os EUA e distribuir da forma acima.

A idéia é, até a aposentadoria, eu possuir 50% dos ativos sem qualquer correlação com o Brasil. Hoje esse valor está em 35% (25% bitcoin 10% investimentos no exterior).

Para os próximos meses, o trabalho de "formiguinha" irá continuar: aportes regulares, distanciamento paulatino do risco Brasil e nunca deixando de aproveitar a vida, até porque a lembrança "memento mori" está mais relevante do que nunca com o falecimento do nosso colega Viver de Construção. Fiquei bastante abalado ao saber da morte dele. É a lembrança que a catástrofe pode acontecer a qualquer momento e que o dinheiro é um mero meio para um fim. Todos os aportes que ele tanto comemorava foram inúteis para si, que será devidamente gasto pela sua esposa e a nova família que ela irá formar.

Fica aqui, portanto, a velha dica de sempre: invistam para o futuro, mas não deixem de aproveitar o presente. Devemos construir hoje a vida que queremos para então economizarmos para ela. Não devemos investir pelo dinheiro, mas pelo estilo de vida que esse dinheiro pode nos proporcionar!