quarta-feira, 17 de junho de 2009

O problema dos títulos indexados pela inflação (NTN-B e NTN-B Principal)

Um mecanismo muitíssimo utilizado pelos investidores que buscam a independência financeira a longo prazo é a compra de títulos garantidos pelo governo indexados à inflação, mais precisamente os NTN-B e NTN-B Principal. A diferença entre os dois é apenas do pagamento dos prêmios, o primeiro semestral e o segundo apenas no vencimento. Mais informaçoes aqui.

A rentabilidade líquida é obtida após o abatimento do Imposto de Renda, custódia da CBLC de 0,3%a.a, taxa de negociação de 0,1%a.a. no primeiro ano apenas, além de eventuais taxas do agente de custódia, que varia de 0% (Spinelli, Socopa) a 4% (Bradesco, Itaú... como era de se esperar).

Há pelo menos um problema que a maioria das pessoas não percebem nesse cálculo: o título acaba por não te proteger completamente contra a inflação. HÃÃÃ?

É isso mesmo! Vejam que o famigerado IR incide não apenas sobre a taxa de compra mas também sobre a correção do IPCA. Por exemplo, digamos que você comprou R$1.000,00 de NTN-B Principal à taxa de 6,75%a.a. + IPCA. Vamos presumir que você permaneceu com esse título por um ano (252 dias úteis), e o IPCA no período foi de 5%. Portanto, a rentabilidade bruta é de 12,09% (veja meu post sobre cálculo da rentabilidade real para saber por que o cálculo não deve ser 6,75%+5%). Vamos ignorar a taxa da CBLC e nos concentrar no IR. Vamos presumir também que o IR a ser cobrado é o mínimo de 15% e não os 22,5% devidos. Portanto, a rentabilidade líquida do investimento é:

R$120,90*85%= R$102,77.

Logo, ao final do período você terá R$1.102,77. Como R$1.000,00 um ano atrás valem R$1.050,00 hoje, a rentabilidade real foi de R$52,77, ou 5,02% (atenção, o cálculo é sobre R$1.050,00 e não R$1.000,00). Mas peraí... 6,75%a.a menos o IR de 15% é 5,74%... quem roubou os outros 0,72%? O IR sobre o IPCA.

Vejam como o IR sobre o IPCA acaba obrigado a "doar" parte da taxa do título para recompor o valor de compra perdido pela inflação, reduzindo de forma significativa a rentabilidade real do título. Dessa forma, quem tiver como idéia retirar os hipotéticos 6,75%-IR vai ter parte do principal corroído mês a mês pela proteção inadequada à inflação, forçando o investidor a retirar uma taxa menor, no caso 5,02%.

Pode parecer pouco, mas vamos ver um pouco de "masturbação financeira" para ver esse efeito a longo prazo. Vamos investir R$1.000,00 durante 30 anos:

  • Com uma taxa de retorno real de 5,74% (6,75% - 15%), teremos R$934.344,00 ao final do período.
  • Já com a taxa de retorno real de 5,02% (levando em consideração o IR sobre o IPCA) teremos ao final de 30 anos R$821.589,00, ou ~12,06% a menos.
Portanto, esse efeito não é desprezível e deve ser contabilizado por qualquer um que invista em qualquer título corrigido pela inflação.

32 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Favor apagar meu post acima.

    Obrigado.

    Luis Otávio.

    ResponderExcluir
  3. Independência Financeira,
    Poderia me descrever a fórmula (com os números) para chegar à rentabilidade bruta ?

    Abraços.

    Luis Otávio.

    ResponderExcluir
  4. Independência Financeira,
    Peço novamente para publicar a sua idéia em meu blog.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Luis, pode sim!

    A rentabilidade bruta você obtém calculando valor.titulo*(ipca.periodo+1)*(taxa.periodo+1)

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Uau! Excelente!

    IF, este post foi muito bom mesmo. Ele mostra dois tipos de erro comuns.

    1. atentando novamente para o cálculo correto da rentabilidade bruta:
    Errado: 6,75% + 5% = 11,75%
    Correto:(1+0,0675)*(1+0,05) = 12,09%

    Retorno Bruto: 12,09%.

    2. Agora vem o problema (Considerar o imposto apenas sobre os juros e depois somar o ipca).

    (Errado): Retorno Liq: 6,75% + (6,75% * 15%) + 5% = 10,74%

    (Correto): Retorno Liq: 12,09% + (12,09% * 15%) = 10,27%

    E finalmente: (Retorno Real)

    (Correto): Retorno real: (1+0,1027) / (1+0,05) = 5,02%

    Obrigado pelo alerta! Os números não mentem. Este post foi daqueles que "abrem" a mente.

    Sensacional!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. IF, fazendo estas contas todas fiquei um pouco confuso.

    Aqui está o motivo da minha confusão.

    Caso o investidor considerasse o retorno líquido errado que mostrei (10,74%) o retorno real (errado) seria de:

    (1+0,1074) / (1+0,05) = 5,46%

    Diferentes do seu 5,74%.

    O seu cálculo considera: 6,75% + (6,75% * 15%) = 5,74% ou 10,74% - 5% = 5,74%.

    Poderia me ajudar?

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Henrique, o problema é que uma hora você soma a inflação (+5%) e em outro você multiplica ela (1+0,05).

    O meu foco é justamente no erro da não consideração do IR sobre IPCA, não de cálculo errado de rentabilidade real, que foi motivo do meu post anterior. Nesse caso a equação "errada" "certa" (nossa, isso pegou muito mal heheh) seria:

    Rent.bruta: (1+0,0675)*(1+0,05): 12,09%
    Rent.apos.IR: 6,75%-(6,75%*15%)= 5,74%. Voce nao tem que pegar esses 5,74% e calcular como se esse retorno fosse nominal... ele incide sobre o valor já corrigido e não sobre o valor nominal, logo seriam 5,74% de 1,05 e não 5,74% de 1, que daria seus 5,46% de 1,05, entendeu?

    Confesso que tive que parar um pouco pra detectar o equívoco hehehe... abração!

    ResponderExcluir
  9. Sou leigo ainda nesse meio mas estou sempre procurando informações e aqui sempre encontro coisa boa.
    Mas eu gostaria de saber sua opinião sobre compras mensais de pequeno porte algo em torno de 300,00 a 500,00 reais, vc acha que as NTNs são uma boa opção ou oque vc acha do fundo programado FIA da Geração Futuro que tb permite investimentos nesse valor??
    agradeço desde ja a atenção

    ResponderExcluir
  10. Guilherme Benedecti18 de junho de 2009 11:43

    Parabéns! novamente um belíssimo post.
    Coloca suas idéias de maneira muito didatica, fica fácil de entender até pra um leigo como eu.
    valeu mesmo tem nos ajudado bastante.

    ResponderExcluir
  11. Giovanni, são investimentos totalmente diferentes, com objetivos diferentes... fica impossível sugerir algo sem saber o que você quer fazer com esse dinheiro. Só preste atenção nas tarifas de DOC/TED quase sempre necessárias para investir no TD, que podem corroer de forma significativa a rentabilidade do título.

    ResponderExcluir
  12. Guilherme, brigadão! Apesar do meu foco ser em investidores avançados, creio que todos tem algo a ganhar lendo sobre finanças pessoais!

    ResponderExcluir
  13. IF,

    Entendi perfeitamente!

    Obrigado pela explicação!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Belo post se me permite só uma sugestão não achei que está claro no final do post que são 1k/mês.Pareceu olhando rápido que um único depósito de 1k.

    Isso pode gerar alguma confusão.

    Outra coisa para os mais empolgados acho difícil nosso Tesouro oferecer taxas tão atrativas nos próximos 30 anos.

    Um outro conceito que acho útil em aplicações de prazos muito longos é que você tem que considerar uma "inflação" maior.Acontece que inflação é para manter o poder de compra,mas como o mundo geralmente evolui acontece que você pode acabar ficando para trás.

    A 30 anos atrás não se tinha internet,TV à cabo,computador e etc...

    Então para prazos longos é melhor um indicador que leva em conta o aumento per capita da massa salarial da classe social a qual você quer pertencer.

    Nesse ponto eu prefiro ser cautelezo é preferível chegar antes do que depois.

    Exemplo:Salário mínimo que já teve um aumento real de uns 100%(ta bem arredondado)

    ResponderExcluir
  15. Outro texto esclarecedor, parabéns pela pesquisa.


    Um detalhe importante: o Bradesco cobrava 4% a.a., agora ele cobra 0,5% a.a. de taxa de administração no Tesouro Direto.


    É isto aí!
    Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

    ResponderExcluir
  16. IF,

    Gostaria de trocar umas idéias contigo em off...

    Poderia me enviar um e-mail para o meu se identificando: ique_carvalho@hotmail.com

    Continue com seus belíssimos posts. Está sendo muito bom te acompanhar aqui no Viver de Renda!

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  17. Meu Primeiro Milhão7 de janeiro de 2010 15:25

    Muito legal o blog. Primeira vez que acesso.
    Mas fiquei com dúvida em relação a última conta.
    Aplicação de 1k durante 30 anos...fiz algumas
    contas mas não consegui chegar ao valor que você mostra acima.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  18. Viver de renda, você está certo sobre o tema, contudo, isto não tira o brilho das NTN-B, principalmente, a Principal. Este título só paga IR no vencimento. Mesmo incorrendo sobre a parte que é a corrigida pela inflação, o título é a melhor aplicação entre os títulos soberanos. Nenhum dos títulos te protege da inflação. Lembro-me da época em que o Tesouro Direto vendia as NTN-C. Quem comprou estes títulos com taxa real de juros acima 8,00%, há dois anos atrás, ganhou muito mais do qualquer aplicação de renda fixa. A queda das taxas de juros reais e o consequente ganho com a durations dos títulos foi espetacular nos últimos três anos. Como são os títulos mais longos emitidos pelo Tesouro, foram os que mais ganharam com a melhora dos indicadores de confiança da economia Brasileira. Consulte na ANDIMA, o rendimento do IMA-B 5+ (índice de mercado das NTN-B com vencimento apóes 5 anos). O índice, em 5 anos (31/12/2004 a 31/12/2009), rendeu tanto quanto o BOVESPA, com um detalhe, com uma volatilidade muito menor.

    ResponderExcluir
  19. Flavio, esse artigo q fiz foi puramente informativo, não emito nele juízo de valor sobre os NTN-B/NTN-B Principal.

    A época das NTN-C realmente foi um paraíso pra quem investia em renda fixa. Não sei se esse bonde vai voltar a passar...

    Cuidado ao dizer que a NTN-B Principal é o melhor tipo de investimento. Os títulos se propoem a finalidades diferentes. O NTN-B Princ., por exemplo, possui um risco de reinvestimento muito maior que o NTN-B. Em cenários de baixa inflação o NTN-F certamente se sairá melhor. Já em caso de crise de confiança a LFT terá maior rentabilidade. Esse é um papo muito longo (e muito interessante!) que não dá pra discutir em um comentário.

    Apareça sempre, seus comentários são de muita qualidade.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  20. Viver de Renda, concordo com as ponderações. A diferença da NTN-F e da NTN-B é chamada pelo mercado de inflação implícita. Se ela estiver muito alta, como estava no começo deste ano (mais ou menos 6,5%aa), e você acreditar que o nosso comitê de Política Monetária irá conseguir manter a meta em 4,50%, não tem motivo para adquirir a NTN-B. Contudo, como as NTN-B, principalmente as principais, possuem uma duration maior, elas obtiveram um retorno maior nesses últimos 5 anos. Em breve, poderemos comprar NTN-F com maturação em 2021 e NTN-B com maturação em 2050. Quem quiser apostar no Brasil e acreditar na tendência declinante das taxas de juros reais, será uma boa oportunidade. Tem que suportar a volatilidade. Estamos falando de renda fixa a longo prazo.
    Um grande abraço, obrigado pelas dicas e muito sucesso.
    Ps. Adoro comprar roupas em lojas que vendem qualidade. O problema é que muitas vezes não consigo comprar porque está caro demais. É o efeito moda. Porém, em alguns momentos, os mesmos artigos entram em promoção. Portanto, posso comprar a mesma qualidade com desconto de 20%, 30% e até 50%. Conclusão: alguns papéis da Bolsa estão entrando em promoção (a mesma qualidade com preço menor). Vamos aproveitar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flávio, eu nunca compreendo essa afirmação de que o valor dos papéis do tesouro estão "baratos"/"caros" ou em "promoção". Uma ntn-b, por exemplo, não tem o valor diário ajustado pela inflação e taxa diáriamente? Se for assim, o preço de venda do título pelo tesouro só varia com a inflação.
      Eu nunca li em detalhes o cálculo, descuido meu, mas seria estranho se fosse diferente disso.
      Apesar da "idade do comentário", espero que alguém possa responder, é uma dúvida que me intriga.

      Excluir
  21. Olá viver de renda, mesmo com esse efeito do IR a correção do IPCA, na minha opinião o TD ainda é mais competitivo que a poupança e o CDB para quem tem quantias baixas para investir e não consegue algo próximo á 100% do CDI.

    Me corrija se eu estiver errado. Abraços.

    ResponderExcluir
  22. Show de bola esse artigo VR.

    Comecei a ler o seu blog desde o início e pretendo ler até o seu último post. Continue com o ótimo trabalho.

    Abcs

    ResponderExcluir
  23. Cara vc já pensou em escrever um livro? to aqui lendo o seu blog inteiro, e não consigo parar de ler, muito bom os seus textos!

    ResponderExcluir
  24. Isso me parece meio óbvio, já que é definido que o imposto de renda deve incidir sobre o rendimento, e a correção da inflação faz parte do rendimento. Não sei porque você intitulou esse post como "problema", pois praticamente todo investimento tem essa característica.

    ResponderExcluir
  25. Mano, sou outro leigo. Como é a dinâmica do investimento? Preciso investir todo mês? Preciso ter conta no banco? Existe um valor "adequado" para investir? Dá pra colocar uma quantia e esquecer, tipo, não há manutenção?
    Valeu e parabéns pelo profissionalismo.
    Aqui é corinthians, mano.
    antonius15@hotmail.com

    ResponderExcluir
  26. Brotha maze, dá só uma sacada neste link sinistro:
    http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro_direto/faq.asp
    Vai fazê tua cabeça, vai ficá boladão!!!

    ResponderExcluir
  27. Viver de renda, me dá uma ajuda, caso você liquide os títulos antes do período de vencimento você recebe o prêmio proporcional período em que ficou?? Não achei isso em nenhum lugar e o cálculo tá no site oficial tá muito complicado pra mim.

    ResponderExcluir
  28. Last Anônimo, não é tão simples, e não há cálculos exatos, tudo depende da taxa de juros na ocasião da sua liquidação. Em resumo, se na ocasião que quiseres liquidar (antes do vencimento) a taxa de juros de mercado estiver acima da sua, vc perde (quem quer comprar títulos com taxas abaixo do mercado?). Se a taxa estiver abaixo da sua, vc ganha (todos querem títulos com taxas melhores do que as do mercado).

    ResponderExcluir
  29. Só para complementar: quem compra papéis indexados à inflação está sujeito ao risco de deflação.

    ResponderExcluir
  30. Tenho uma dúvida, se puder responder, agradeço.
    Se eu comprar, por exemplo, uma NTN-B Principal com o IPCA e juros de hoje, com vencimento em 2035, se o IPCA e os juros estiverem maiores, eu ganho mais com isso ou vou ganhar o pactuado no momento da compra?

    ResponderExcluir